Sindep preocupado com condições em que as escolas têm funcionado neste período da pandemia

Cidade da Praia, 24 Nov (Inforpress) – O Sindicato Nacional dos Professores (Sindep) mostrou-se hoje preocupado com as condições que algumas escolas têm funcionado durante este período de pandemia e pediu ao Ministério da Educação para avaliar e certificar regularmente todos os estabelecimentos de ensino.

A preocupação foi manifestada à imprensa pelo presidente do Sindep, Nicolau Furtado, apontando que há muitas escolas que não têm casas de banho funcionais e, com falta de  água, escassez de pessoal de limpeza em diversas escolas, fazendo com que, em muitos casos, sejam os próprios professores a fazer a limpeza de salas de aula.

“Há alunos que não usam máscaras de proteção devido aos parcos recursos e não há higienização e nem álcool gel em diversos casos”, denunciou.

Nicolau Furtado disse também que o Sindep vai distribuir máscaras a nível nacional e, ao mesmo tempo, apela ao Ministério da Educação (ME) para que cumpra ou continue a cumprir as suas obrigações em matéria de segurança sanitária e de prevenção da covid-19.

“Apelamos também que continue o fornecimento de megas para registos de sumários e das avaliações no SIGE e para as aulas à distância aos professores e alunos. Com efeito, todos somos poucos para apoiar os cabo-verdianos neste contexto particularmente difícil e exigente”, sublinhou.

Outro assunto abordado pelo sindicalista são as questões que afectam a classe docente, lembrando que, desde quatro de Agosto deste ano, o Sindep solicitou a retoma das negociações com o ME sobre os numerosos casos pendentes, sem que este tenha, até à presente data, dado resposta ou feedback a este sindicato.

“Nem mesmo a pandemia, justifica que as muitas reivindicações dos nossos associados, nomeadamente as que se prendem com a aplicação de normas transitórias do Estatuto da Carreira Docente de 2015, não tenham, até ao momento, a devida resolução, nos termos da lei”, ressaltou.

Nessa perspectiva, o Sindep instou os professores e, particularmente, os seus associados, no sentido de insistirem na reivindicação dos seus direitos e a ponderar as várias formas de luta a serem adoptadas, nos termos da lei, para que o ministério demonstre maior respeito para a classe docente e assuma a satisfação das suas legítimas reivindicações, em cumprimento do Estatuto da Carreira Docente e da lei.

“O ministério não pode continuar a ignorar e a violar sistematicamente os direitos dos professores e, ao mesmo passo”, reiterou.

Por fim, manifestou a sua incondicional solidariedade com os professores, aos quais sublinhou a disponibilidade do Sindep de continuar a lutar, por todos os meios ao seu, com vista à defesa dos seus legítimos interesses e, em especial, para a resolução progressiva dos muitos problemas que vêm afectando o normal desenvolvimento da carreira docente.

HR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos