Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Sincop quer intervenção da ARME para regular preço das tarifas de viagens

Cidade da Praia, 21 Out (Inforpress) – O presidente do Sindicato Nacional dos Condutores Profissionais (Sincop), Domingos Tavares, manifestou hoje a preocupação pela não intervenção da ARME no sentido de regular o preço das tarifas de viagens.

Domingos Tavares que falou à imprensa, à margem do encontro com o Ministro da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social, Fernando Elísio Freire, explicou que, numa decisão conjunta com condutores e proprietários de hiaces, decidiram aumentar as tarifas, mesmo sem o aval da Agência Reguladora Multissectorial de Economia (ARME).

Segundo apontou, esse aumento acontece pelo facto de a última actualização ter sido feita em 2007, tomando em conta também o aumento do combustível, a manutenção das viaturas e os seguros.

“Ou seja, tudo está a subir e os condutores têm uma reivindicação justa de aumento de salário, mas o proprietário não tem condições para fazer essa actualização salarial”, apontou.

Conforme o responsável, o Sincop mandou uma proposta à ARME, desde o início do ano, sobre a necessidade de uma nova actualização das tarifas mas, entretanto, a entidade de regulação enviou uma nota esclarecendo que não tem ainda a competência para resolver esta questão e que aguarda a aprovação de um diploma por parte do Governo.

No entanto, indicou, a ARME não aprovou a decisão do aumento das tarifas.

“Mas, se a ARME não tem competência para definir o preço das tarifas agora vem manifestar que não concorda”, lançou.

Já Fernando Elísio Freire, que é também titular da pasta do trabalho, advogou que o aumento das tarifas é uma matéria que depende da agência reguladora e que o Governo não tem nenhuma interferência.

Contudo, asseverou que o encontro serviu para sensibilizar o sindicato para, junto dos seus associados, aderirem ao sistema de previdência social pois, frisou, é necessário alargar a rede de protecção social em Cabo Verde.

HR/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos