Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

SINCOP pondera paralisação dos transportes públicos urbanos e interurbanos em finais de Julho

Cidade da Praia, 09 Jul (Inforpress) – O Sindicato Nacional dos Condutores Profissionais (SINCOP) ponderou hoje uma “paralisação” dos transportes públicos urbanos e interurbanos a nível nacional, para final deste mês, caso não houver nenhuma resposta sobre algumas das suas reivindicações.

O anúncio foi feito pelo presidente, Domingos Tavares, esta manhã, durante a conferência de imprensa na Cidade da Praia, para apresentar alguns dos problemas que afectam a classe, que ficou mais grave ainda com a pandemia da covid-19.

Segundo o sindicalista, uma das reivindicações tem a ver com o não cumprimento por parte do Governo, em relação a lei nº70/VIII/2014 de 26 Agosto, que diz que as “micro empresas certificadas no regime especial para micro, pequenas empresas mais impactadas pela covid-19, como os transportes, hotelarias e restauração, ficam isentas do pagamento do Tributo Especial Unificado, (TEU) durante o ano de 2021.

O SINCOP exige que a Agência Reguladora Multissetorial da Economia (ARME) actualize urgentemente as tarifas de preços nos transportes colectivos de passageiros urbanos e interurbanos a nível nacional e que a actualização de tarifas nos transportes colectivos de passageiros seja feita semestral ou anual.

“Já mandamos uma proposta para a ARME e estamos a aguardar uma resposta, por exemplo, aqui na localidade de São Domingos, estamos a pedir um aumento de 20 escudos, pelo menos, sobre o preço actual”, referiu o presidente que disse que, para além do aumento do preço dos combustíveis, grande parte dos bens da primeira necessidade tiveram um aumento considerável.

Por outro lado, considerou que as câmaras municipais continuam a desrespeitar os condutores profissionais e proprietários, uma vez que continuam a cobrar uma taxa de forma “ilegal” e os ditos parques de estacionamento continuam sem as mínimas condições higiénicas, ambientais, de lazer e de conforto e sem segurança para os condutores e passageiros.

O sindicato pede igualmente que as câmaras municipais suspendam a cobrança das senhas, a semelhança de algumas autarquias que interromperam devido a pandemia da covid-19.

Domingos Tavares assegurou que o SINCOP está disponível para negociar com as autoridades para analisarem a melhor forma de resolver esta situação que há muito vem se arrastando, mas sublinhou que caso não obtiverem nenhuma resposta ponderam paralisar os transportes públicos urbanos e interurbanos no final de Julho ou início de Agosto, durante três dias.

AV/DR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos