Silêncio ensurdecedor à volta do que se passa na Guiné-Bissau e a sua estagnação não poderá ser permitido – Abraão Vicente

São Filipe, 02 Nov (Inforpress) – O silêncio ensurdecedor à volta do que se passa na Guiné-Bissau e a sua estagnação não poderá ser permitido, disse sexta-feira o ministro da Cultura, Abraão Vicente na terceira edição da Morabeza-Festa do Livro.

A partir da ilha do Fogo, o titular da pasta da Cultura enviou um “abraço muito forte à Guiné-Bissau”, observando que Cabo Verde deseja profundamente que tenha sucesso, o que, segundo o mesmo, significa a estabilidade de governação, promoção do país e dos guineenses.

Tendo em conta o respeito e os laços históricos que existem, afirmou Abraão Vicente, não podia deixar de manifestar a sua preocupação  pela situação que Guine vive neste momento, observando que um festival literário onde os escritores são livres, acredita que em algum momento a Guiné-Bissau terá de ser falado.

Para o ministro da Cultura, nenhum festival literário serve de alguma coisa se não se debater as ideias e a conjuntura que nos envolve, sublinhando que a Morabeza festa do Livro é uma festival onde não só se falam daquilo que já existe nos livros, mas construir um espaço onde se possa pensar a contemporaneidade e os grandes desafios.

Segundo o  mesmo os países de língua portuguesa esperam muito mais da sua elite intelectual, dos seus escritores e dos  seus criadores.

JR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos