Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

SIACSA anuncia pré-aviso de greve dos trabalhadores da Enapor no Sal e dos bombeiros da Praia

Cidade da Praia, 04 Abr (Inforpress) – O presidente do Sindicato de Indústria, Alimentação, Construção Civil, Agricultura e Florestas, Serviços Marítimo e Portuário (SIACSA), Gilberto Lima, anunciou hoje o pré-aviso de greve dos trabalhadores da Enapor na ilha do Sal e dos bombeiros da Praia.

Em conferência de imprensa, que decorreu esta manhã, Gilberto Lima assegurou que a greve dos bombeiros da capital está marcada para os dias 11 e 12 de Abril, em protesto pelo não cumprimento de um acordo rubricado entre a autarquia, trabalhadores e o sindicato.

“Este acordo tem a ver com o pagamento em prestações das progressões na carreira profissional em que a autarquia deve pagar 10% sobre o salário mensal dos bombeiros até terminar as sete prestações acordadas, mas neste momento existe um atraso de dois meses”, apontou.

A indefinição no que tange ao subsídio de riscos e o novo regulamento dos bombeiros que ainda não foi aprovado são outras reivindicações que se encontram pendentes e levaram a classe a fazer greve.

No que diz respeito aos conferentes e guincheiros do porto da Palmeira, no Sal, adiantou que há um braço de ferro entre a empresa e o sindicato que representa essa classe, uma vez que a direcção introduziu novos estivadores ignorando o acordo já existente entre as partes.

“A greve está marcada para os dias 16 a 20 de Abril, mas no dia 15, está prevista a realização de encontro de conciliação com a delegação da Direcção-geral do Trabalho no Sal, porque o diretor-geral do trabalho negou sentar-se à mesa para dialogar com o sindicato”, explicou Gilberto Lima que acusou o director-geral do Trabalho de falta de diálogo.

Em relação aos trabalhadores da empresa de calçados ICO, adiantou que os mesmos podem fazer uma manifestação pacífica ainda no decorrer deste mês em protesto para a melhoria do salário e atribuição de alguns subsídios.

Segundo o sindicalista, são cerca de dois mil operárias qualificadas e continuam a receber o salario mínimo.

AV/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos