SG da ONU lembra que milhões de ascendentes africanos ainda estão sujeitos ao racismo e à discriminação racial

Lisboa, 31 Ago (Inforpress) – O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, lembrou hoje que milhões de pessoas de ascendência africana ainda estão sujeitas ao racismo e à discriminação racial profundamente enraizada e sistémica.

Na sua mensagem por ocasião do Dia Internacional das Pessoas Afrodescendentes, que hoje se assinala, António Guterres sublinhou que este ano acontece o primeiro Fórum Permanente das Pessoas Afrodescendentes, algo que para o chefe das Nações Unidas é uma “importante conquista” da Década Internacional das Pessoas Afrodescendentes, que segue até 2024.

O Fórum, criado pela ONU no início do mês e que é composto por dez membros que irão trabalhar em conjunto com o Conselho de Direitos Humanos, terá como principal tarefa a produção da declaração das Nações Unidas sobre a promoção e o pleno respeito dos direitos humanos dos afrodescendentes.

“É essencial que continuemos a falar, alto e sem hesitação, contra qualquer noção de superioridade racial e que trabalhemos incansavelmente para libertar todas as sociedades da praga do racismo”, disse na sua mensagem divulgada através de um comunicado.

Para promover o reconhecimento dos afrodescendentes como um grupo específico cujos direitos humanos devem ser promovidos e protegidos, a Assembleia Geral da ONU proclamou o período de Janeiro de 2015 a Dezembro de 2024 como a Década Internacional dos Afrodescendentes, lançada em Durban, na África do Sul.

O plano de dez anos pretende alcançar três objectivos, nomeadamente o “reconhecimento, justiça e desenvolvimento”.

O Presidente da República de Portugal também associou-se hoje às Nações Unidas na evocação do Dia Internacional das Pessoas Afrodescendentes, defendendo “um Portugal mais justo e mais igualitário” e lembrando aqueles que ainda são sujeitos ao racismo.

“Que este dia possa lembrar-nos da importância de nos juntarmos por um Portugal mais justo e mais igualitário para todas e todos”, frisou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Dia Internacional das Pessoas Afrodescendentes, 31 de Agosto, celebrou-se pela primeira em 2021, com o propósito de homenageia as valiosas contribuições da diáspora africana pelo mundo, visando, também, a eliminação de quaisquer formas de discriminação contra afrodescendentes.

Este dia procura reforçar a mensagem de que todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. Qualquer doutrina que defenda a superioridade racial é cientificamente falsa e, por estas razões, moralmente condenável e socialmente injusta. A humanidade deve rumar no sentido da cooperação e não da separação.

O Dia Internacional das Pessoas Afrodescendentes foi proclamado através da resolução 43/1 adoptada na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), a 19 de Junho de 2020.

DR/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos