Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Sete projectos identificados para integrar primeiro plano nacional de investimento em economia azul

Cidade da Praia, 03 Dez (Inforpress) – Um grupo de sete projectos já está identificado para integrar ou concorrer ao I Plano Nacional de Investimentos em Economia Azul em Cabo Verde (PNIEA I), entre os quais projectos de requalificação da orla marítima e da aquacultura.

Segundo a coordenadora nacional do Programa de Economia Azul, Iolanda Brites, esses sete projectos apresentados pelas câmaras municipais, pelos sectores público e privado, estão de acordo com o conceito e os princípios da economia azul, que se quer implementar em Cabo Verde.

“Chamamos de PNIAE I que engloba esses sete projectos que cumpriram com os critérios estabelecidos. Todos os projectos foram tidos em conta, mas esse grupo vai ser tipo projectos piloto”, explicou a responsável no final de um workshop realizado hoje, na Cidade da Praia.

Os projectos, conforme indicou, deverão ter em conta três componentes: social, económica e ambiental. Cumprindo os requisitos e tendo orçamento, os mesmos estarão prontos para serem submetidos ao financiamento.

Iolanda Brites adiantou que o objectivo do Governo é sair do modelo tradicional, em que cada um faz o seu projecto, para passar para um modelo mais articulado, interligado e participativo.

“É por isso que no quadro desse programa temos um comité de pilotagem, integrado pelos vários sectores para que possa haver uma sintonia em torno desse conceito de economia azul”, disse.

O processo de transição para economia azul em Cabo Verde conta com o financiamento do Banco Africano do Desenvolvimento (BAD) e com a assistência técnica da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

O que se pretende é um processo de transição para economia azul através da identificação de projectos e investimentos alinhados com os princípios da economia azul em que prevalece a conservação dos ecossistemas aquáticos e marinhos, da utilização e gestão sustentáveis dos recursos oceânicos e da inclusão social.

Iolanda Brites lembrou que o executivo aprovou, no decurso desse ano, o quadro estratégico unificado para economia azul, que estabelece as orientações para o desenvolvimento PNIEA e o Programa Plurianual de Apoio ao Processo de Transição (PROMEA) como instrumentos para facilitar a transição do país para um modelo de crescimento sustentável ancorado nos princípios acima referidos.

O workshop de finalização do plano promovido pelo Governo e pela FAO, que contou com representantes das câmaras municipais, dos ministérios do turismo e da industria e energia e dos sectores privado, recomendou a harmonização das fichas dos projectos que vão ser integrados no plano para que a implementação do PNIEA I possa ter sucesso.

MJB/CP
Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos