Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Senegal vai assumir presidência rotativa da União Africana em 2022-2023

Dacar, 06 Fev (Inforpress) – O Senegal vai assumir a presidência rotativa da União Africana (UA) para o período 2022-2023, após uma escolha unânime dos 55 estados-membros da organização reunidos em cimeira hoje e domingo, segundo fonte oficial.

“Gostaria de agradecer aos meus colegas da União Africana pela escolha unânime do Senegal para exercer a presidência da União para o período 2022 – 2023”, anunciou o chefe de Estado senegalês, Macky Sall, na sua conta na rede social Twitter.

A candidatura do Senegal foi apresentada em bloco pelos países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), de que fazem parte os lusófonos Cabo Verde e Guiné-Bissau, após as desistências das candidaturas do Gana e do Togo.

A escolha para a presidência rotativa da União Africana é feita com um ano de antecedência, os países devem manifestar a sua vontade de assumir o cargo e a escolha, em regra, respeita critérios de representação geográfica.

O Senegal irá suceder na presidência à República Democrática do Congo (RDCongo), cujo Presidente Félix Tshisekedi assumiu hoje oficialmente a liderança da organização.

Félix Tshisekedi recebeu a passagem de testemunho do chefe de Estado da África do Sul, Cyril Ramaphosa, numa cerimónia que decorreu num formato misto presencial e virtual.

A diplomacia cabo-verdiana foi uma das principais entusiastas da candidatura do Senegal à presidência da União Africana, com o ministro dos Negócios Estrangeiros cabo-verdiano, Rui Figueiredo Soares, a manifestar a expectativa de que a escolha do Senegal possa beneficiar a integração regional do arquipélago.

“O Senegal é um parceiro próximo de Cabo Verde, com quem temos relações excelentes, o Presidente Macky Sall tem dado muito apoio à política de integração de Cabo Verde e será uma boa experiência e uma boa notícia para Cabo Verde”, disse Figueiredo Soares, antes de conhecida a escolha.

Na segunda-feira, o Presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, disse que o consenso entre os 15 Estados da CEDEAO em relação à candidatura do Senegal fortalecia “a posição da organização no confronto com as outras sub-regiões”.

A União Africana foi criada a 11 de Julho de 2000 para substituir a Organização da Unidade Africana (OUA), fundada a 25 de Maio de 1963, e reúne actualmente 55 estados-membros, incluindo os lusófonos Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

A presidência da organização é rotativa entre países pelo período de um ano e a gestão executiva é assegurada por uma comissão constituída por um presidente, um vice-presidente e seis comissários, eleita para mandatos de quatro anos.

Os chefes de Estado e de Governo dos 55 Estados-membros reúne-se anualmente em assembleia na sede da organização, em Adis Abeba, na Etiópia, mas este ano, devido à pandemia de covid-19, a cimeira decorre em formato virtual.

Moçambique foi o único país de língua portuguesa a assumir a presidência rotativa da organização em 2003-2004, quando o chefe de Estado era Joaquim Chissano.

Teodoro Obiang, da Guiné Equatorial, liderou a União Africana em 2011-2012, antes da adesão do país à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), em 2014.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos