Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Seis vereadores da CMP anulam despacho do presidente que desprofissionaliza Samilo Moreira e Chissana Magalhães

Cidade da Praia, 06 Jul (Inforpress) – Seis dos nove vereadores da autarquia da Praia, reunidos em sessão extraordinária, deliberam hoje anular o despacho presidencial que retira as funções a tempo inteiro e a consequente desprofissionalização dos vereadores Samilo Moreira e Chissana Magalhães.

A reunião, que aconteceu na sede da Sociedade Cabo-verdiano de Autores (SOCA), na Praia, e sem a participação do presidente da câmara, Francisco Tavares, decidiu anular, com efeitos imediatos, a ordem de serviço 01/GPCMP/2021 que reforma e reafecta os pelouros, assim como o despacho nº 18/2021 de 01 de Julho, que aprova a alteração da sua composição.

“Esta afectação não foi concertada com os demais vereadores, foi imposta pelo que tivemos de analisar tudo isso e chegamos a algumas conclusões, já que nem sabemos quem vai gerir as pastas de vereação”, disse a veradora Ednalva Cardoso, em conferência de imprensa, manifestando o interesse em encontrar “um consenso” para que ninguém saia prejudicado.

Conforme Ednalva Cardoso, os participantes na reunião decidiram ainda apoiar a decisão dos vereadores Chissana Magalhães e Samilo Moreira de apresentar queixa-crime contra Francisco Carvalho, que acusou os dois vereadores de corrupção. Os ofendidos vão apresentar queixa também à Comissão Nacional de Protecção de Dados pela instalação abusiva e ilegal de aparelhos de georreferenciação nas viaturas da autarquia a eles atribuídos.

Na sua comunicação, a vereadora do MpD realçou também que a decisão do presidente carece de concertação e autorização prévia dos implicados, da Câmara e da Assembleia Municipais, assim como de cabimentação no orçamento aprovado e em vigor, e o contrato com a empresa que prestou o serviço que deveria ser feita através de concurso, conforme as normas de aquisição pública.

Afirma, por outro lado, que dada a intransparência do processo, os participantes na reunião extraordinária decidiram solicitar ao presidente da câmara da Praia o acesso ao contrato assinado por ele, e acesso a todos os contratos do pessoal que iniciou funções a partir de Dezembro de 2020.

Além desta, foi ainda deliberado sobre o pedido de um encontro com os representantes da Assembleia Municipal e, com base no artigo 92º nº 5 do Estatuto, solicitar ao Governo um inquérito à Câmara Municipal da Praia.

“Os vereadores estão determinados a não mais participar nas reuniões da Câmara Municipal em que esteja ausente, sem justificação aceitável, o secretário municipal, conforme determina o decreto-lei nº5/98 de 9 de Março”, disse, salientando que das doze reuniões realizadas até então este nunca participou.

Quanto aos GPS instalado nas viaturas dos vereadores, assumiram não ter nada contra, mas manifestaram contra a forma como foi feita, ou seja, “sem articulação prévia e pelo facto do aparelho, além de rastrear o percurso de quem está na viatura, tem também um gravador áudio que viola os direitos fundamentais do cidadão”.

Questionada se está de acordo que os vereadores estejam a “passear” com o carro de serviço, Ednalva Cardoso disse que, apesar de concordar que a viatura do serviço público é para trabalhar, “cabe a cada um saber o uso que faz da viatura” e vai mais longe ainda ao afirmar que deve reinar o “bom senso de cada um dos detentores de cargo político na utilização dos carros”.

A decisão tomada por seis dos nove vereadores autarquia da capital surge após o presidente da Câmara Municipal da Praia, Francisco Carvalho, ter acusado os vereadores do PAICV Samilo Moreira e Chissana Magalhães de “tentativa de perturbar o normal funcionamento da autarquia” e a consequente desprofissionalização dos dois autarcas.

Após o anúncio feito pelo autarca da Praia, os vereadores Samilo Moreira e Chissana Magalhães acusaram Francisco Carvalho de “autoritarismo”, manipulador da verdade e violador da lei.

Na sequência deste mal-estar, seis vereadores da câmara da Praia foram impedidos de realizar reuniões sala camarária reservada para o efeito.

PC/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos