Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: Vlú Ferreira prognostica para até 15 de Agosto primeira viagem de “Nôs ferry Mar d’Canal (c/áudio)

Mindelo, 27 Jul (Inforpress) – O presidente do conselho de administração do Naviera Armas, Vlú Ferreira, detentor do navio “Nôs ferry Mar d’Canal”, prevê entre 10 a 15 de Agosto a primeira viagem da embarcação na linha São Vicente/Santo Antão.

Valdemiro Ferreira, mais conhecido no meio artístico e mindelense por Vlú, começou por enfatizar, à Inforpress, todo o processo de reconstrução e remodelação de um ano e 15 dias nos estaleiros da Cabnave, a parte “mais importante”, que foi concluída no último sábado.

Acrescentou que o navio está agora na fase de finalização e alinhamento de motores, no Porto Grande do Mindelo, para depois ser certificado e operar na linha São Vicente/Santo Antão.

“Acredito que deverá ser [a primeira viagem] entre 10 a 15 de Agosto”, considerou o empresário, que se denomina como presidente do conselho de administração do Naviera Armas Cabo Verde, que antes era uma empresa mista com accionistas cabo-verdianos e espanhóis, mas, que após a certificação deverá receber o nome “Nôs Ferry, Companhia Marítima” com capital 100 por cento (%) cabo-verdiano.

Vlú Ferreira falou à agência de notícias a bordo do navio após uma visita guiada de alguns profissionais de comunicação social nesta terça-feira, quando o navio deveria receber a visita do ministro, que foi adiada devido a um “imprevisto” do governante.

A mesma fonte gabou-se de apresentar uma embarcação “totalmente modernizada” com trabalhos no fundo e no casco de mudanças de chapa, nos ‘decks’ e no salão de passageiros, que agora tem uma lotação para 200 pessoas e ainda na ponte de navegação modernizada com ‘software’ de ponta, que permitem “melhor diagnóstico” do navio em termos de motores e navegação.

“Aqui tem tudo o que as pessoas esperam e que a malta jovem quer ter nos lugares que viajem, com USB e lugares prontos para fotos de Facebook” disse Vlú, entre risos.

Isto porque, asseverou, Mar d’Canal vai funcionar com um “novo conceito”, para servir, primeiramente, a economia das duas ilhas com tráfego comercial, mas também com uma parte de turismo para passageiros internos e externos.

“O nosso objectivo é tornar esta viagem o mais agradável possível e por isso vamos colocar outras coisas a bordo”, explicou, indicando que, para além, do salão de passageiros, haverá um outro salão na área interna do barco para exposições artísticas e mini-restaurante de produtos típicos cabo-verdianos e bares.

E, como não poderia deixar de ser, a música ao vivo, que é uma das paixões deste conhecido músico e empresário sanvicentino.

“Além de se comprar um bilhete, vai-se comprar uma viagem ‘entertainment’”, reiterou a mesma fonte, garantindo que as novidades não irão influenciar no preço das passagens em vigor neste momento.

Sendo assim, Mar d’Canal apresenta-se como “mais uma alternativa” para o tráfego São Vicente/Santo Antão, que, assegurou, “deve ter dois barcos”, ainda mais quando a sua embarcação está preparada para fazer viagens nocturnas.

“Mar d’Canal é uma alternativa e com muito espírito nacionalista. O que me fez entrar nisto foi reconhecer que é um barco que tem prestado um serviço grande e importante à economia das duas ilhas e merecia receber o trabalho que fizemos”, considerou, enaltecendo toda a reestruturação feita no barco “só com técnicos cabo-verdianos”.

Nesta senda, Vlú ressaltou o “excelente trabalho” feito nos estaleiros da Cabnave, empresa que acredita estar “mal-vista” na economia do Barlavento e que poderia dar mais emprego se fosse vista com “outro olhar e com mais potencial” pelo Governo e colocado num “outro patamar” do ‘Shipping business’.

O empresário destacou ainda os programas informáticos para a “tecnologia de ponta, existente em nenhum outro navio em Cabo Verde” e que foram feitos por jovens de São Vicente.

“Temos que dar valor às nossas capacidades, temos capacidades para levar Cabo Verde e fazê-lo o país que queremos”, rematou.

LN/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos