Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

URDI “é momento do ano” para mostrar concretização da política do Governo para o sector do artesanato – ministro

 

Mindelo, 06 Nov (Inforpress) – O ministro Abraão Vicente considerou hoje, no Mindelo, que a Feira do Artesanto e Design de Cabo Verde (URDI) é “o momento do ano” para se apresentar a concretização da política do Governo para o sector do artesanato.

O titular da pasta da Cultura e das Industrias Criativas veio hoje ao Mindelo para, como referiu, assumir que o Centro Nacional de Artesanato e Design (CNAD) e a URDI são eventos do ministério que dirige e da política cultural do Governo para a projecção do país a nível internacional, através do artesanato, nas suas mais variadas vertentes, e do desing.

Este ano a URDI ocorre dias 30 de Novembro e 01, 02 e 03 de Dezembro, no Mindelo, certame para “concretizar a ideia” do CNAD, segundo a mesma fonte, como centro de projecção nacional do pensamento, da investigação e do design a nível nacional.

Ou seja, di-lo o ministro, neste âmbito de tornar Mindelo o centro da inovação e das industrias criativas, em 2018 a cidade vai acolher “dois grandes eventos“, o Morabeza – Festa do Livro e o URDI, e em 2019 prevê-se a realização de uma “grande conferência internacional” com o envolvimento de universidades estrangeiras.

Mais ainda, até final de 2018, anunciou Abraão Vicente, espera-se que esteja aprovado o estatuto do CNAD, garantia dada pelo facto de o Orçamento do Estado aprovado no Conselho e Ministros trazer “uma maior independência, autonomia e recursos financeiros”.

Tudo para que o CNAD, concretizou, possa desenvolver a sua actividade fora do quadro da gestão do Gabinete do Ministro da Cultura.

É nesse quadro, sintetizou, que surge a URDI, evento orçado este em cerca de sete mil contos, como plataforma, que deve ser, tal com o Morabeza, na área literária, o destaque do ano para se apresentar a concretização da política do Governo para o sector do artesanato.

“URDI deste ano vai ser inovador porque bebe da primeira edição de 2016 em que a primeira chamada foi para a reflexão dos designers e artesões “, lançou Abraão Vicente, lembrando que não se trata “apenas uma feira de artesanato para venda de peças”.

Antes será, referiu, um evento  de formação, de workshop, de design e de encontro para a conceptualização daquilo que é o novo pensamento voltado para o artesanato, visto “no seu ponto de vista mais lato”, no sentido de os trabalhos artesanais também constituírem “fonte de criação de emprego digno”, de rendimento e de uma janela de projecção de uma nova imagem de Cabo Verde.

O cartaz cultura deste ano do URDI, que terá uma extensão na Praça Nova, aqui funcionando como uma galeria e pólo central das actividades, será dedicado ao tema “Design” e deve reunir mais de uma centena de criadores nacionais e internacionais.

Os municípios-tema em destaque nesta edição são os da Ribeira Grande (Santo Antão) e da Ribeira Brava (São Nicolau), uma forma de dar a conhecer, segundo o responsável do CNAD, Irlando Ferreira, não só os afazeres artesanais como a formação, mas também outras vertentes culturais como a dança, a música e a gastronomia, entre outras.

AA/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos