Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: UCID denuncia “falência” da câmara municipal que conta com “conivência” do Governo

Mindelo, 28 Jul (Inforpress) – O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição), António Monteiro, alegou hoje, no Mindelo, que a Câmara Municipal de São Vicente se encontra em “situação de falência”, contando com a “conivência” do Governo.

Conforme a mesma fonte considerou em conferência de imprensa, a edilidade sanvicentina encontra-se em “situação muito grave”, não dispondo de liquidez para “honrar os seus compromissos e nem tão pouco pagar os salários a tempo”.

“Para poder pagar os salários de uma parte significativa dos trabalhadores recorre todos os meses a descoberto a um dos bancos da praça”, lançou, adiantando um saldo negativo de “mais de 22 mil contos” e ainda dívidas avultadas perante instituições públicas e privadas.

António Monteiro apontou exemplos de dívidas com o Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), Electra, CV Telecom e “muitas outras empresas”, que mostram uma “situação de falência”.

“Em relação ao INPS a dívida conta o montante de 40 milhões de escudos, tudo isso com conivência dessas instituições e dos sucessivos Governos que permitem o acumular de dívidas sem, no entanto, agirem em conformidade”, denunciou o líder da UCID, que fala ainda, para além da dívida acumulada, de “vários trabalhadores do sector de saneamento e com vários anos de serviço que não dispõem de cobertura do INPS.

António Monteiro disse ter solicitado o valor da dívida nas restantes instituições, mas foram “sonegados os dados, com vários argumentos que ferem a Constituição da República”.

Por essa razão, segundo a mesma fonte, questiona-se “se o INPS tem dois pesos e duas medidas, tendo em conta que algumas empresas com três ou mais meses de atrasos, já os trabalhadores perdem os direitos e têm os serviços suspensos.

“Haverá aqui algum interesse”, reiterou, com a ideia de que “os dinheiros públicos devem ser geridos com transparência”.

Apesar de toda essa situação, o Governo, através do Ministério das Finanças, continua, conforme a UCID, “mudo e calado e compactuando com a má gestão”.

Prova disso, segundo a mesma fonte, é a auditoria administrativa e financeira a que a câmara foi submetida há mais de um ano e até agora não se conhece o resultado.

“A UCID exige que se publique o relatório para que se possa dissipar todas as dúvidas concernentes à ma gestão da Câmara Municipal de São Vicente”, sustentou António Monteiro, questionando “qual a razão da demora e o que se estará a esconder”.

“O Governo está a proteger o edil Augusto Neves em São Vicente”, defendeu.

O líder da UCID repisou ainda o problema das contas de gerência da autarquia de 2017 e 2019, que, alegadamente, foram devolvidas pelo Tribunal de Contas, uma situação denunciada pela UCID, mas , até hoje “sem nenhuma consequência”.

António Monteiro fez, por outro lado, um balanço negativo do estado da nação, cujo debate acontece nesta sexta-feira, e que disse não se ter conseguido atingir o que estava estipulado no programa do Governo, “por mais voltas que se queiram dar”.

LN/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos