UCID acusa Governo de “deslealdade” e critica modelo de privatização dos aeroportos 

Mindelo, 11 Mai (Inforpress) – O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição), João Santos Luís, acusou hoje o primeiro-ministro de ter sido “desleal” para com o partido e discordou ainda do modelo para privatização dos aeroportos.

O líder do partido, que falava em conferência de imprensa, no Mindelo, referiu-se à “deslealdade,” porque, como disse, teve uma reunião ordinária com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, no dia 27 de Abril e nada foi falado sobre a concessão do serviço aeroportuário à empresa Vinci Airports.

Por isso, ajuntou, a UCID foi “apanhada de surpresa” com a publicação do decreto no Boletim a 04 de Maio.

“A UCID não pode e nem deve compactuar com atitudes desta natureza. Consideramos que se o assunto é o País, então deve-se ter a humildade e inteligência suficientes para colocar tudo em cima da mesa e desenharmos as melhores opções e alternativas adequadas” sublinhou.

Daí, ainda segundo a mesma fonte, quando o assunto é público, as decisões devem ser tomadas “da melhor maneira possível”, com “transparência e rigor”, respeitando as leis, “sem secretismos e sem confidencialismos exacerbados”.

E no caso da privatização da empresa pública Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), que, segundo a mesma fonte, emprega “mais de quatro centenas de trabalhadores”, as decisões “devem ser consensualizadas, debatidas e tomadas de forma ponderada” para não se trilhar “o caminho do prejuízo, como anteriormente já acontecera”,

O presidente da UCID referiu-se aos exemplos de Electra, em 1999, e da TACV, recentemente, que tiveram privatizações por ajuste directo, “procedimento de selecção pouco transparente e muitas vezes penalizante para o País”, e que obrigaram o executivo a “dar o dito pelo não dito” e a nacionalizar novamente as empresas, com “avultados prejuízos” para os contribuintes e toda a nação cabo-verdiana.

João Santos Luís disse que o partido não é contra privatizações, mas disse que a privatização da ASA “não é oportuna” devido às diversas crises vividas, e o Governo ao optar pelo modelo de ajuste directo, que “é último da tabela”, não teve em conta a “melhor oportunidade nem para o País, nem para a economia do País e nem para a empresa”.

Por outro lado, frisou, a concessão não prevê a construção  dos aeroportos de Santo Antão e Brava, que já estão em estudo há já algum tempo.

“Com o mal já feito, auguramos agora que os eventuais montantes a serem arrecadados sirvam para financiar a nossa economia, o País tem a urgente necessidade de fortalecer a sua base económica e para gerar riquezas e gerar postos de trabalho bem remunerados”, sublinhou João Santos Luís, que pediu ainda a fiscalização dos preços e serviços após a privatização, que, normalmente, “tendem a aumentar”.

O presidente da UCID exortou o Governo a ter mais ponderação nas próximas privatizações e apontou os exemplos da Enapor (portos) e da Emprofac (produtos farmacêuticos), esta última a quem o Estado “deve 1,200 mil contos” e que agora “está a ser asfixiada para se encontrar motivos para a sua privatização”.

LN/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos