Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: Siacsa forma delegados sindicais e prepara marcha de protesto e greve nacional (c/áudio)

Mindelo, 11 Mar (Inforpress) – O Sindicato de Indústria Geral, Alimentação, Construção Civil, Serviços e Afins (Siacsa) iniciou hoje uma formação para dirigentes e delegados sindicais de São Vicente, com olhos postos numa marcha de protesto e numa greve geral, ainda este mês.

Segundo o presidente do Siacsa, Gilberto Lima, a formação aos quadros dirigentes e delegados sindicais objectiva habilitá-los para, nos locais de trabalho, procederem a “negociações responsáveis” junto das entidades empregadoras.

“Constato um défice aqui em São Vicente, porque não se formam homens e quando se tem um sindicado que não forma os delegados sindicais tudo fica mais complicado”, concretizou o sindicalista, que explicou que o Siacsa sempre teve cuidado com esta vertente da formação.

“Os sindicatos não devem cingir-se apenas à parte reivindicativa, há que formar porque esta é também uma das atribuições dos sindicatos e das organizações sindicais”, precisou, daí o tema da acção formativa “A negociação” que vai ser estendida aos trabalhadores, como disse, e que assenta em três módulos, quais sejam a interdependência e ajuda mútua, aspectos de conflitos e as características das negociações.

Sobre a manifestação marcada para esta sexta-feira, 13, em São Vicente, com concentração na Praça Dom Luís, Gilberto Lima assegurou que a marcha é um sinal de protesto contra empresas que, alegadamente, fizeram “represálias desajustadas” aos vigilantes depois da greve realizada nos dias 24, 25 e 26 de Fevereiro.

Neste momento, aludiu o presidente do Siacsa, para além da melhoria salarial, o sindicato coloca em cima da mesa questões sobre a mudança de categoria profissional dos vigilantes, as condições de trabalho em higiene, saúde e segurança no trabalho, e também a “perseguição dos trabalhadores” pós-greve.

“A greve nível nacional dos vigilantes, a partir de 25 de Março, está de pé, pois esta questão não ata nem desata, ou seja, as questões não estão resolvidas, por isso, após a manifestação do dia 13, o Siacsa vai começar a preparar a greve”, finalizou Gilberto Lima.

AA/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos