Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: “Relações económicas e empresariais fortes serão importantes para fortalecer CPLP” – Rui Figueiredo (c/áudio)

Mindelo, 08 Mai (Inforpress) – O ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, disse hoje, no Mindelo, que ter relações económicas e empresariais fortes, tal como perspectiva Angola, o próximo país a presidir a CPLP, será importante para fortalecer a comunidade.

Rui Figueiredo Soares falava à imprensa no término do encontro que manteve com o seu homólogo angolano, Teté António, durante o qual aproveitou para discutir assuntos relacionados com a passagem de testemunho da presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) para Angola.

Segundo o governante,Angola já disse que irá atribuir uma “importância muito especial” às relações económicas e empresariais e anunciou a realização de um “fórum económico e empresarial dentro do espaço da CPLP” que, sustentou, será uma etapa “muito importante para a consolidação da comunidade”.

“Angola atribui uma grande importância à questão das relações económicas e empresariais dentro da CPLP. Já demos um passo importante relativamente ao acordo de mobilidade, as visitas que possamos fazer serão importantes, mas será igualmente importante que os nossos países possam estabelecer relações económicas e empresariais fortes”, explicou Rui Figueiredo Soares.

A mesma fonte, lembrou que a CPLP “é rica por causa da sua diversidade e dos produtos naturais que encerra”, pelo que “as trocas comerciais devem ser incentivadas no sentido de obter o melhor resultado e a maior felicidade no âmbito da mobilidade”.

Por sua vez, o ministro das relações Exteriores de Angola, Téte António, defendeu que tem sido uma experiência “muito boa” trabalhar com Cabo Verde, e a assunção da presidência por parte de Angola “vai ser uma aterragem muito suave”, porque Cabo Verde e o Secretariado-Executivo da CPLP prepararam “todas as condições necessárias”.

O chefe da diplomacia angolana garantiu que com a presidência de Angola a questão da mobilidade “vai continuar viva”, lembrando que Luanda será o palco da assinatura do acordo de mobilidade.

“O mais importante será a etapa da sua implementação, da vontade política dos Estados membros em ratificar os instrumentos jurídicos para ele entrar em vigor para que os nossos povos gozem deste privilégio de mobilidade que não é privilégio, mas é um direito, porque na verdade esta comunidade é uma comunidade de povos”, reiterou.

O Secretário-Executivo da CPLP, Francisco Ribeiro Telles, que também esteve presente no encontro, explicou que a reunião serviu para “limar arestas” em relação a assuntos que estão pendentes e que Cabo Verde tem tratado e que vão passar para a presidência angolana e cria as condições para uma “transição bastante suave” de uma presidência para outra.

CD/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos