São Vicente/promulgação ZEE: “Vamos regozijar-nos com este grande feito, obra do Governo de Cabo Verde e do município – Augusto Neves (c/áudio)

Mindelo, 13 Jul (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Augusto Neves, regozijou-se hoje com a promulgação da lei que cria a Zona Económica Especial Marítima (ZEEM), que disse ser “grande feito, obra do Governo de Cabo Verde e do município”.

“Vamos regozijar-nos com este grande feito, obra do Governo de Cabo Verde e do município, em particular, a bem do desenvolvimento económico da ilha de São Vicente e do país. Esta grande vitória é resultado do trabalho abnegado e da confiança, que os cabo-verdianos depositam no Governo e no município de São Vicente”, lançou, durante a conferência de imprensa, realizada na manhã de hoje, no Mindelo, para falar sobre o assunto.

Augusto Neves acredita ser a ZEEM um “ganho fabuloso” que permitirá o desenvolvimento de outras ilhas, como São Nicolau, Santo Antão e Santa Luzia, mas também exaltou o facto das entidades que se estabelecerem na zona, localizada em Saragarça, terem “benefícios e políticas especiais, designadamente, no que se refere aos regimes fiscais e aduaneiros, zonas francas e tax free”.

Questionado sobre a possibilidade de se nascer uma nova cidade na ilha, o presidente da câmara disse que não querer falar em novo município, mas, assegurou, que o plano detalhado para essa zona já traz a criação de todos os serviços, onde irá “formar-se um novo centro industrial e toda a rede administrativa irá estar a serviço desse espaço”.

Quanto à eleição dos órgãos sociais, há, segundo a mesma fonte, “toda a pressa” para isso se concretizar, já que desde 2016 se está a “trabalhar intensamente” nesse projecto, que é o pólo de desenvolvimento dessa zona norte”, referindo-se a um “projecto de investimento aberto a todos os países que têm excelente cooperação com Cabo Verde”.

Por isso, acredita Augusto Neves, não é um projecto direccionado para o Governo no poder, mas para os futuros, por ser um projecto “muito mais profundo”.

“Acho que todo o Governo, que se preze, irá dar seguimento a este grande projecto, porque para nós é fundamental aproveitarmos todos os recursos que o mar nos dá, toda essa nossa localização geográfica para podermos potencializar as nossas capacidades e nossa economia”, reiterou o edil, para quem uma possível mudança de Governo não vai afectar o plano.

O projecto da ZEEM contempla a deslocação das principais indústrias de São Vicente, entre estas os estaleiros de reparação naval, Cabnave, que, conforme a mesma fonte, situa-se numa zona nobre, que poderá ser aproveitada em termos de habitação e de estabelecimentos hoteleiros.

A lei que cria a Zona Económica Especial foi promulgada na última semana pelo Presidente da República e tem como objectivo o desenvolvimento da economia marítima e constitui, segundo o ministro da Economia Marítima, Paulo Veiga, “um passo muito importante”, tendo em conta que “o Governo elegeu a economia marítima como um dos pontos fortes para a recuperação da economia pós pandemia.

Paulo Veiga explicou que uma das vertentes da ZEEM será o Campus do Mar, que integra três instituições, nomeadamente, a Universidade Técnica do Atlântico, a Escola do Mar e o Instituto do Mar.

A Universidade Técnica do Atlântico ocupar-se-á do Ensino Superior, a Escola do Mar terá a seu cargo a formação profissional e profissionalizante e o Instituto do Mar estará vocacionado para a investigação.

Além da criação da referida zona económica, o documento define a criação das Zonas de Desenvolvimento Integrado nas vizinhas Ilhas de Santo Antão, São Nicolau e de Santa Luzia, tendo em vista a exploração das complementaridades entre elas e São Vicente e o desenvolvimento integrado e coordenado das quatro Ilhas, de acordo com as especificidades de cada uma”.

LN/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
[wd_asp elements='search' ratio='100%' id=2]
    • Categorias

  • Galeria de Fotos