São Vicente: Produtor propõe cooperativa de plantação de tabaco com agricultores de Txon d´Holanda (c/áudio)

Mindelo, 22 Jan (Inforpress) – O produtor e ex-presidente da Associação Comunitária de Ribeira de Vinha, em São Vicente, Pedro Rocha, propôs hoje, no Mindelo, organizar os agricultores de Txon d´Holanda numa cooperativa para plantar tabaco e alimentar a fábrica nacional.

Esta ideia foi apresentada durante o painel sobre agronegócio enquadrado na jornada técnica sobre Economia, que decorre na câmara de São Vicente, integrada nas preparações do I Fórum 2035. 

Para Paulo Rocha esta poderá ser uma alternativa para os agricultores desse perímetro agrícola dividido por 95 parcelas e que fica a cinco quilómetros do centro da cidade do Mindelo. Isto porque, defendeu, os agricultores “não têm tido muito resultado devido à forma como trabalham as parcelas”.

“Seria preciso um investidor forte para montar uma cooperativa para a produção de tabaco. Os agricultores de Txon d’ Holanda dizem que o tabaco é das coisas que se produz o ano inteiro em São Vicente. Então, ao invés de gastar dinheiro importando tabaco para ser transformado na fábrica em São Vicente que se junte todos os produtores dessa área numa cooperativa de plantação de tabaco”, explicou o produtor, para quem desta forma os agricultores teriam um salário mensal e recebiam também dividendos no final do ano.

Segundo Pedro Rocha, esta ideia é uma mais-valia porque o tabaco pode ser alimentado com água dos poços existentes nesse local ou ainda com a água tratada da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR).

A mesma fonte defendeu, igualmente, a necessidade de incentivar os produtores, principalmente as pessoas que trabalham na criação de gado, a investir na produção de biogás para o consumo doméstico.

“Se uma família tiver quatro porcos pode produzir biogás. Não precisarão mais comprar gás, nem usar lenha e farão um grande trabalho para o meio ambiente”, adiantou, dando como exemplo uma experiência que ele mesmo fez.

Paulo Rocha também pediu auxílio das autoridades centrais e locais para arranjar um investidor para montar uma unidade de frio ou de transformação capaz de conservar os produtos de Ribeira de Vinha.

“Se tivéssemos câmaras frigoríficas que pudessem conservar os produtos como tamarindos, tâmaras, pepinos e tomates evitávamos que fossem descartados. E com isso, ao invés de bebermos sumos e produtos que vêm de fora compraríamos os produzidos localmente e ajudaríamos os produtores a evoluir,” afirmou realçando que “São Vicente é das melhores ilhas em Cabo Verde com potencial agrícola, por causa do seu clima e do sol que permite praticar todo o tipo de agricultura”.

Pedro Rocha discorreu no painel sobre agro-negócios integrado na jornada técnica sobre “Economia de São Vicente”.

Esta jornada é o terceiro encontro técnico organizado pela Câmara Municipal de São Vicente como preparação para o I Fórum São Vicente 2035, que está previsto para acontecer nos dias 19, 20 e 21 de Janeiro de 2022.

O evento enquadra-se nas festividades do Dia do Município de São Vicente que se celebram a 22 de Janeiro.

CD/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos