São Vicente: Presidente da câmara classifica de “vergonhosa” as intervenções de deputados sobre retirada de roulottes

Mindelo, 31 Mar (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal de São Vicente classificou hoje de “vergonhosas” as intervenções do líder da UCID e dos deputados do PAICV na Assembleia Nacional sobre a retirada das roulottes das ruas do Mindelo.

Segundo Augusto Neves, os deputados da oposição eleitos por São Vicente, que ”dizem defender a ilha”, simplesmente “aproveitaram a oportunidade para aparecerem”, em vez de se preocuparem, sintetizou, com diplomas e aspectos estruturantes para a ilha.

“Mas como são incompetentes e fazem da política a sua vida, aproveitam essas oportunidades, e, portanto, são oportunistas, para dar a cara na TV e serem vistos pela população”, criticou o autarca, que lembrou que São Vicente tem uma Assembleia Municipal, para discutir assuntos tipo roulottes, e um Código de Posturas aprovado pela Assembleia, que é o que está a pôr em prática.

“Esse senhor” , que diz que a medida é ilegal e imoral, referindo-se Augusto Neves, ao presidente da Comissão Política do PAICV em São Vicente, Alcides Graça, sem nunca mencionar o nome, “desconhece as leis, pois anda à procura de oportunidades para salvar a vida”, uma vez que, lançou, “não foi eleito em nenhuma lista do seu partido porque o povo não confiou nele”.

“O senhor da UCID”, agora referindo-se a António Monteiro, também sem mencionar o nome, segundo Augusto Neves, “já ressuscitou, esteve mudo, calado há quase um ano” e agora “desperta de um sono profundo”

“Pensei que ele tinha desertado”, continuou o autarca, no mesmo tom, acrescentando que São Vicente necessita de deputados nacionais “competentes” para defender a ilha e discutir documentos e projectos importantes do país, salvaguardando a ilha onde foram eleitos, e não de “demagogos e aproveitadores”.

Sobre a polémica da retirada das roulottes, Neves explicou que a medida “não é nem ilegal, nem imoral”, uma vez que “todos os sanvicentinos têm consciência” do estado em que esses equipamentos se encontravam na via pública.

“A medida não é imoral porque temos a percepção de que não estavam a operar dentro das normas de salubridade e missão para que foram licenciadas”, avançou, quando o que se deseja, acrescentou, é uma cidade organizada cumprindo as normas que regem o município, pois “há leis a cumprir”, e a câmara está a colocar ordem nas coisas.

“Não é ilegal porque assim manda o Código de Posturas e todos nós temos a consciência disse e as coisas devem ser vistas como são”, sintetizou o presidente da câmara, para quem esta é a tarefa da edilidade e será feita de acordo com as normas, “ouvindo todos e tomando as medidas certas”.

“Uma roulotte não é um lote, tem rodas e momentos e horários para permanecer nos espaços”, lançou a mesma fonte, lembrando que tem que ter higiene e condições mínimas para que a população possa aproveitar de um bem com autoridade.

“Estamos a trabalhar com todas as dificuldades e problemas para ter uma cidade limpa, organizada, salubre e com uma juventude livre do álcool, das doenças, uma cidade inteligente”, concluiu o presciente da Câmara Municipal de São Vicente.

O assunto da retirada das roulottes mereceu, num primeiro momento, a reacção negativa do PAICV, em São Vicente, que classificou a medida de “imoral e ilegal” e, num outro momento, foi alvo de declaração política dos deputados da UCID, no Parlamento, esta quinta-feira.

AA/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos