São Vicente: PAICV diz que orçamento da câmara para 2018 retrata estagnação do município

 

Mindelo, 29 Set (Inforpress) – O PAICV, pela voz do seu presidente da Comissão Política Regional (CPR), considerou hoje, em conferência de imprensa, que o orçamento da câmara municipal de São Vicente para o ano económico de 2018 retrata a estagnação do município.

Alcides Graça observou que a dívida pública do município atinge 522 milhões de escudos, mas que a câmara não a reconhece, fazendo-o apenas em relação à dívida com a banca, que atinge a cifra de 75 milhões de escudos anuais.

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição camarária) desafia a câmara e o seu presidente, Augusto Neves, a apresentar a dívida pública para que os cidadãos a possam conhecer.

O presidente da CPR diz temer pela sustentabilidade financeira do município e acusa o Tribunal de Contas de se limitar a validar as contas que lhe são apresentadas e de se abster de ordenar uma auditoria financeira.

O orçamento municipal para 2018 é de 960 milhões de escudos, nove milhões menos relativamente ao de 2017, o que leva Alcides Graça a concluir que a câmara está sem capacidade de suster a retração financeira e de realizar investimento público.

De resto, o presidente da CPR do PAICV lembrou a Augusto Neves algumas promessas de campanha eleitoral, designadamente o arrelvamento do campo de futebol da Salamansa e do estádio Adérito Sena, a iluminação do campo de Bitim, a conclusão do miradouro do Gude e a eliminação de casas de lata, todos comtemplados com “zero escudos” no orçamento do próximo ano.

AT/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos