PAICV denuncia “alta intensidade” de nomeação a cargos públicos de pessoas próximas ao poder (c/áudio)

Mindelo, 23 Set (Inforpress) – O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) alertou hoje, no Mindelo, para a “alta intensidade” de nomeações de pessoas próximas ao Governo a cargos públicos “deixando de fora competência técnica e eficiência”.

Tendo como porta voz o membro da Comissão Política Nacional Fidel de Pina, o partido, em conferência de imprensa hoje, no Mindelo, assegurou estar “preocupado” com a “falta de sensibilidade” de Ulisses Correia e Silva e seu Governo que se tem “lançado numa acção desenfreada no sentido de captura das instituições públicas cabo-verdianas”.

“Para resolver os seus problemas internos, o sistema da maioria recorre a instituições e recursos do Estado, numa intensidade nunca antes verificada neste País, como se pode testemunhar com a nomeação de membros para a Alta Autoridade da Concorrência”, considerou a mesma fonte, adiantando estar-se a “deixar de fora a competência técnica e a eficiência das instituições”.

Para Fidel de Pina, “os cabo-verdianos compreendem melhor o slogan de Ulisses Correia e Silva utilizado nas campanhas eleitorais, ‘somos diferentes, fazemos diferente’”.

Isto porque, asseverou, todos os cabo-verdianos assistem agora à uma “verdadeira normalização e generalização de contratos de gestão com chorudos salários e regalias em todas as instituições” com “claro favorecimento a familiares e amigos dos membros do Governo e altos dirigentes do MpD”.

O membro do PAICV disse que não é de se estranhar que uma das primeiras medidas adoptadas pelo executivo, logo quando eleito em 2016, “foi precisamente acabar com os concursos públicos” e adoptar regras de nomeação por confiança, “deitando por terra” qualquer possibilidade de todo e qualquer cidadão e jovem poder ambicionar exercer cargos de responsabilidade na função pública e contribuir para o desenvolvimento do País.

“O MpD está a matar e a destruir todas as expectativas dos jovens quadros no acesso a empregos e a cargos de responsabilidade, de forma transparente, em condições de igualdade e por mérito”, reiterou Fidel de Pina, para quem o Governo “defraudou a expectativas e está a olhar apenas para um lado, o lado do partido, dos familiares e amigos”.

Ademais, conforme a mesma fonte, tudo isso acontece num “contexto extremamente difícil” em que o custo de vida tem aumentado de “forma significativa e com escassas oportunidades para a juventude”.

Esta mesma juventude, criticou, que o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, “sem apresentar qualquer alternativa”, pede para não emigrar.

Questionado pela imprensa sobre as mesmas críticas feitas pelo MpD aquando da governação do PAICV, Fidel de Pina respondeu que o seu partido “já foi avaliado pelas coisas boas e pelas menos boas que fez”.

“As coisas menos boas que, possivelmente, tenham acontecido não podem fazer escola e nós neste momento estamos numa posição em que o nosso trabalho é representar o povo e representar o sentimento das pessoas”, sustentou, acrescentando que “não se pode justificar os erros do passado no presente”.

Admitindo estarem dispostos a fiscalizar e a “trabalhar afincadamente” para a “transparência e rigor na gestão da coisa pública, Fidel de Pina instou Ulisses Correia e Silva a cumprir a Constituição da República, principalmente, nestes dias em que se assinala o 30º aniversário desta carta magna.

LN/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos