São Vicente: “Novas formas de masculinidade devem vir de dentro” – responsável da Rede Laço Branco

Mindelo, 06 Nov (Inforpress) – O ICIEG juntamente com parceiros como a Rede de Laço Branco reuniu na manhã de hoje, em Tchon d´Holanda (Mindelo), os beneficiários da Comissão Regional de Parceiros (CRP) de São Vicente, para os sensibilizar sobre novas formas de masculinidade.

A intenção do Instituto Cabo-verdiano da Igualdade e Equidade do Género (ICIEG) e também dos parceiros como a Rede Laço Branco é, segundo o secretário executivo da rede, Nelson Alves, levar informação e ter pessoas sensibilizadas às questões, principalmente de relacionamento entre homens e mulheres.

Neste sentido, ajuntou, parte-se do princípio da questão de género, da igualdade e de levar as novas formas de masculinidade.

“Porque vemos que a maior parte dos preconceitos, tabus e estereótipos que criamos estão na forma da nossa vivência no dia-a-dia e na educação que recebemos desde pequeno”, advogou Nelson Alves, com tónica sobre o machismo.

Por isso, acrescentou, as novas formas de masculinidade “devem vir de dentro” com “acções positivas” e “comportamentos assertivos”, principalmente no meio laboral com a questão de assédio sexual, mas, também em casa com a “valorização do companheiro e de ter responsabilidade com os filhos e ter uma vida social mais assertiva, com menos álcool e menos droga”.

“Também as novas formas de masculinidade trazem atitude e valores diferentes em termos de responsabilidade e de igualdade de oportunidade” disse o técnico, para quem os comportamentos, mesmo estando enraizados nos aspectos culturais, “podem ser mudados”.

Além de abordar esses aspectos com os adultos, com base no ditado que diz que “de pequenino se torce o pepino”, o ICIEG e os parceiros, segundo a mesma fonte, já trabalham com escolas e liceus a questão de género para conseguir mudanças, quem sabe, daqui a 10-20 anos.

“As mudanças não acontecem de um momento para o outro, mas aposta-se na reflexão e de ter consciência nas práticas diárias com o parceiro ou parceira”, assinalou o responsável.

A escolha de Tchon d´Holanda, zona ribeirinha à cidade do Mindelo para a acção de sensibilização, conforme Nelson Alves, foi feita na óptica de, que “todos têm direito à informação” e tendo em conta, que essas pessoas, devido ao trabalho, muitas vezes não têm tempo para aceder as informações, nem mesmo pela comunicação social.

LN/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos