Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: Ministério do Mar volta atrás e permite venda de álcool na estrutura de apoio à piscina oceânica (c/áudio)

Mindelo, 09 Set (Inforpress) – O ministro do Mar disse hoje, no Mindelo, que “não vê nenhum mal” o facto da estrutura de apoio à piscina oceânica funcionar como um bar, com venda de álcool, depois do encerramento da piscina às 18 horas.

Paulo Veiga falava em conferência de imprensa no Ministério do Mar, a propósito de irregularidades detectadas no funcionamento da estrutura” e respondendo às críticas sobre a alegada ocupação do espaço que antes era usado pelos sanvicentinos para fazer ginástica e actividades de lazer.

“Nós decidimos e não vemos nenhum mal em que aquele espaço funcione, depois do encerramento da piscina, como um bar. É uma decisão, se estou certo, se estou errado não sei. Acho que estou certo. Há muita gente que concorda que estou certo. Podem discordar, mas estamos aqui para decidir e é uma decisão, está decidido”, afirmou.

Questionado os motivos da mudança do conceito da estrutura de apoio à piscina oceânica que, na inauguração foi apresentado pelo governante como um “bar sem álcool, com produtos saudáveis, sumos de frutas naturais da terra”, Paulo Veiga disse que da conversa com o promotor acham que não é possível manter o projecto como foi inicialmente estabelecido.

“Com o investimento que têm lá e com as 25 famílias que são sustentadas através do trabalho que têm lá eles acham que não é possível manter o projecto como foi inicialmente estabelecido. E nós decidimos que não haveria nenhum contra-senso em permitir que aquilo funcionasse como um bar a partir das 18 horas”, clarificou.

Segundo o governante, o Ministério do Mar “suspendeu temporariamente” o funcionamento dessa estrutura para concertação com o parceiro e será assinado um termo de compromisso com a empresa responsável pela sua gestão para poder funcionar depois das 18 horas como bar.

“Nós não autorizamos a venda de álcool, mas a câmara municipal, que autoriza, a Inspecção Geral das Actividades Económicas (IGAE), que fiscaliza não vê isso como algo errado. Não somos nós quem vai julgar isso. Agora, durante o funcionamento da piscina não queremos álcool. É isto também é uma decisão”, sentenciou o ministro.

Conforme a mesma fonte, o termo de compromisso obrigará à delimitação do espaço para funcionamento do bar e estrutura de apoio, observância das normas impostas pela Câmara Municipal de São Vicente e das impostas pela IGAE.

Aliás, o ministro reconheceu que havia “irregularidades” no seu funcionamento, tais como “cadeiras com publicidade de marcas de bebidas alcoólicas, que não é permitido por lei e a falta de delimitação do espaço”.

Questionado quando é que a piscina irá funcionar em pleno, Paulo Veiga disse que já encomendaram o fundo, especialmente para as crianças que irão ter uma piscina de 80 centímetros e outra de 120 centímetros de profundidade. Mas devido à pandemia e à complexidade nos transportes marítimos a nível internacional, não vai arriscar uma data concreta.

No entanto, revelou que as perspectivas é que seja instalado na edição da Cabo Verde Ocean Week que acontece de 22 a 26 de Novembro.

A estrutura de apoio terá uma delimitação de 150 metros quadrados e o representante da empresa responsável pela gestão do referido espaço, Bruno Paris, disse que já tem “todas as licenças” para funcionamento após as 18 horas.

Segundo o responsável, “a IGAE disse que a partir do momento que tiver delimitado podem usar as mesas com marcas de bebidas alcoólicas”.

Além disso, afirmou que vão manter o espaço destinado ao consumo de narguilé (nome comum conhecido como shisha) na parte superior da estrutura de apoio como um espaço destinado a fumadores”.

CD/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos