São Vicente: Mais de duas centenas artesãos com processos pendentes para regularização – CNAD

Mindelo, 04 Mai (Inforpress) – O Centro Nacional de Artesanato e Design (CNAD) ainda tem 275 artesãos com processos incompletos num total de 403 inscritos na plataforma de gestão do artesanato, conforme informações avançadas pelo director, Irlando Ferreira.

Até agora, o CNAD já entregou 95 cartões a artesãos reconhecidos de todo o País e, segundo a mesma fonte assegurou à Inforpress, espera-se aumentar este número e atingir os mais de 400 profissionais do sector, que “só tem a ganhar” com o processo iniciado em 2018.

Irlando Ferreira apontou as vantagens permitidas pela inscrição no Sistema Integrado de Gestão do Sector do Artesanato (SIart) e também o cartão de artesão, sendo os principais, indicou, a possibilidade de usufruir da previdência social na doença e para a reforma.

“Até posso comprovar com um caso que tive conhecimento recentemente, de um artesão que tinha o seu processo todo regularizado e agora teve uma junta médica e vai usufruir da previdência social para fazer o tratamento médico no exterior”, exemplificou.

Por isso, considerou, os artesãos “devem fazer um esforço” para tirar proveito da regularização do sector, que sempre foi uma das principais reclamações da classe há bastante tempo e que está agora resolvida.

“Os artesãos devem entregar todos os documentos e as informações e fazer um esforço mínimo para se regularizar e tornar o artesanato com uma actividade de valor igual a qualquer outra”, alertou o director do CNAD, para quem o sector tem “grande potencialidade”, mas, agora “só deverá contar com uma atitude de responsabilidade de parte a parte”.

Irlando Ferreira lembrou ainda que só o cartão de artesão poderá agora dar acesso a feiras realizadas no arquipélago, entre estas a maior nacional que é a Feira de Arte, Artesanato e Design de Cabo Verde (Urdi), realizado todos os anos, no Mindelo, mais também no estrangeiro.

Por outro lado, segundo a mesma fonte, só a regularização permite aceder a acções de formação promovidas pelo Ministério da Cultura e ainda a possíveis doações de equipamentos e materiais.

Daí, o apelo para que os artesãos com processos pendentes “não tenham receio” de apostar e ter toda a sua actividade regularizada e com todos os benefícios.

Irlando Ferreira espera que possam ser entregues mais cartões a outros artesãos, que poderão estar presentes na Urdi 2022, que deverá acontecer entre 30 de Novembro a 04 de Dezembro.

LN/AA

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos