São Vicente: Juventude em Marcha encerra 28ª edição do festival Mindelact com peça “Pinha má Kentei”

Mindelo, 11 Nov (Inforpress) – O grupo de Santo Antão Juventude em Marcha encerra no sábado a 28ª edição do festival de teatro Mindelact com peça “Pinha ma Kentei” que procura resgatar as “ricas tradições” e mostrar “bravura” do homem santantonense.

Jorge Martins, que falava na conferência de imprensa realizada nesta sexta-feira, para anúncio do espectáculo, disse ser com “muito prazer” que actuam nesse encerramento com a peça “Pinha má Kentei”, que tem sido “muito solicitada dentro e fora do País”.

Abordando um pouco a sinopse deste trabalho a ser apresentado no Palco 1, no Centro Cultural do Mindelo, o co-fundador do “Juventude em Marcha” explica que o texto fala sobre dois irmãos gêmeos que nasceram, cresceram e morreram juntos.

“A peça acaba por reconhecer, homenagear o homem santantonense, a sua bravura, resiliência e as dificuldades que teve em tentar vencer e contornar as dificuldades da vida e também mostra à essa juventude que o povo cabo-verdiano sofreu muito para chegar onde chegou”, realçou.

Por outro lado, asseverou Jorge Martins, o espectáculo chama atenção para as “ricas tradições que estão a cair no esquecimento e, inclusive, as instituições não estão a fazer o seu trabalho para as preservar e salvaguardar”.

Daí, o apelo, sublinhou, para as escolas e universidades procurarem resgatar a história do País e fazer com que o que se herdou dos antecessores seja transmitido à nova geração.

O grupo Juventude em Marcha tem vindo a participar do Mindelact desde o início da sua existência, em 1996, dez anos antes da criação do grupo, em 1986, o que levou Jorge Martins a ressaltar a evolução do festival e por motivar a entrada de novos grupos para a cena do teatro.

Isto quando, conforme a mesma fonte, na primeira edição do festival nem tinham espaço em São Vicente para realizar os espectáculos e tiveram que adaptar uma sala no ex-quartel militar, onde agora se situa a televisão pública (TCV), a Inforpress e o Tribunal da Relação do Barlavento.

Neste momento, disse Jorge Martins, a organização do festival tem “trabalhado incansavelmente” com todos os grupos para o “bem do teatro cabo-verdiano”.

O último dia da festa de teatro do Mindelo também se faz com a peça “Borboletas” do holandês descendente de pais cabo-verdianos, da ilha de Santiago, Gery Mendes, que actua na Academia Livre das Artes Integradas do Mindelo (ALAIM).

Como conta o jovem, a história mistura teatro e rap como tem sido a sua vida de rapper e actor, e que se mostram uma “boa combinação”.

Ademais, explicou, fala sobre a colonização, sobre a relação com os pais e um pouco das suas raízes cabo-verdianas, que pode aprender mais através de pesquisas realizadas em Cabo Verde em 2021.

“Acho que é um projecto importante para mim, para jovens da minha idade, mas também para a geração do meu pai”, considerou Gery Mendes, que promete transformar “Borboletas” também num trabalho discográfico musical.

Além das peças em palco, neste sábado haverá também apresentação do palhaço espanhol Enano, na Praça Dom Luís, centro da cidade do Mindelo.

LN/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos