Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: Fazenda do Camarão vai instalar dessalinizadora e apostar em energias limpas – promotor (c/áudio)

Mindelo, 08 Jul (Inforpress) – O promotor do projecto Fazenda do Camarão em São Vicente disse hoje à Inforpress que a empresa vai instalar, até o mês de Dezembro, uma unidade dessalinizadora para produzir 24 toneladas de água/dia, através de energias renováveis.

Segundo Nelson Atanásio Santos, neste momento a empresa, com instalações na região do Calhau, paga dez mil escudos por cada cinco toneladas de água, porque utiliza autotanques que transportam a água da cidade até às suas instalações.  

Mas, explicou a mesma fonte, com a instalação da dessalinizadora a empresa vai produzir diariamente 24 toneladas de água potável, das quais cinco toneladas são para o consumo próprio e as restantes para beneficiar a população local e o vale do Calhau.

“Precisamos apenas de cinco toneladas de água, o resto é para população e para tornar isso tudo verde. Temos as torres, os cabos já estão metidos no chão e a máquina chega em Agosto. Em Novembro já teremos instalado a dessalinizadora”, anunciou Nelson Atanásio Santos.

O empresário afirmou ainda que a Fazenda de Camarão “está a dar um salto” com a colocação de turbinas eólicas que, junto com os painéis solares já instalados, vão permitir   dispensar pelo menos 80 por cento (%) da rede eléctrica.

“Nós só vamos utilizar 20% da rede eléctrica, no entanto devo dizer que a maior factura que a gente paga neste momento é a Electra. Vamos meter uma dessalinizadora a funcionar com turbinas eólicas, portanto as outras toneladas de água que eu não precisar vai beneficiar a população”, adiantou o promotor, que chamou atenção ainda para a vertente social do projecto.

Aliás, adiantou que inicialmente o projecto perspectivava empregar 65% de mulheres do Calhau, mas neste momento tem 50% de mulheres e os outros 50% de homens, perfazendo um total de 30 trabalhadores.

Apesar de reconhecer que “o Governo acarinha o projecto”, Nelson Atanásio Santos afirmou que a empresa precisa de financiamentos porque a Fazenda do Camarão “envolve outras coisas, que não são apenas a engorda criação de camarão”.

Por exemplo, explicou, foi criado um laboratório que permite a realização de estudos e onde se produz microalgas para alimentar o camarão criado no local.

A Fazenda do Camarão surgiu em 2017, fruto de investimento de 600 mil contos e previa,  na altura, produzir 250 a 350 toneladas/ano de camarão marinho em dez viveiros, numa área total de cerca de 28 hectares.

Neste momento, a empresa conta com 28 viveiros, dos quais apenas sete estão em funcionamento, porque, segundo Nelson Atanásio, “não há dinheiro” para colocar os outros em funcionamento.

Actualmente, revelou ainda,  o projecto é desenvolvido por investidores/parceiros de Cabo Verde e do Brasil.

CD/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos