Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: “É fundamental fazer a diferença entre fakes news, desinformação e má informação”, membro da ARC

Mindelo, 03 Mai (Inforpress) – O membro do Conselho Regulador da Autoridade Reguladora da Comunicação Social (ARC), Alfredo Pereira, considerou hoje que se torna necessária a criação, em Cabo Verde, de uma comissão multidisciplinar para estudar o panorama comunicacional versus fakes news.

“É importante esclarecer que fakes news (notícias falsas) não são um problema apenas da comunicação, mas é político, é da Sociologia e da Psicologia Humana”, concretizou a mesma fonte.

Por esses dias, com efeito, em São Vicente, membros da ARC têm-se desdobrado em conversas abertas com alunos e professores das escolas secundárias da ilha sobre literacia mediática e, em relação às notícias falsas, reforçou que é preciso entender o que acontece em Cabo Verde e como resolver essa questão.

Em declarações à Inforpress, à margem de um ciclo de conferências para saudar o Dia Da Liberdade de Imprensa, hoje em São Vicente, Alfredo Pereira considerou que as redes sociais “democratizam um bocadinho” a comunicação, “a faz chegar a todos os cantos”, mas que Cabo Verde é ainda um país em que os órgãos nacionais de comunicação social tradicionais têm uma “preponderância bastante grande”.

Daí, ajuntou, a necessidade de a ARC chegar até as pessoas onde elas se encontram e evitar que possam ser enganadas, manipuladas ou ficarem sobre influência de muita propaganda nas redes sociais.

“Deixei claro para os alunos que uma coisa são as fakes news, que, às vezes, podem até ser involuntárias, porque a fonte que passa a notícia não dá dados fidedignos, outra coisa, sintetizou, é ter informações falsas que circulam na rede que, eventualmente, em determinado momento podem ser de facto amplificado pelos órgãos de comunicação social tradicionais.

“É fundamental fazer essa diferença porque cada vez mais se fala em fakes news, quando deveríamos falar de desinformação, de má informação”, declarou, porque, continuou, quando se fala simplesmente em fake news há uma “tendência generalizada” de se pensar que é tudo notícia, quando, na realidade, muitas das informações não são propriamente notícias.

É que, para Alfredo Pereira, não são só os alunos que “não sabem fazer a diferenciação” entre comunicação, que pode ser feita por qualquer um desde que na posse de telemóvel ligado à Internet, e a informação, que ocorre quando mediada por um jornalista.

Então, lançou, “é importante desconstruir esse conceito de fake news” para que as pessoas tenham uma “noção clara” daquilo que é fake news e má informação e desinformação, propaganda e manipulação, e ensinar quais são as técnicas fundamentais de desconstrução.

O ciclo de conferências que saúda o Dia da Liberdade de Imprensa será encerrado ao final da tarde de hoje, no auditório Onésimo Silveira, da Universidade do Mindelo (Uni-Mindelo), pelo presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos.

AA/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos