Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

São Vicente: Dirigente associativo pede mais atenção aos jovens da zona de Espia (c/áudio)

Mindelo, 09 Jul (Inforpress) – O vice-presidente da Associação Liverpool, criada na zona de Espia, Mindelo, exortou as autoridades locais e central a dar mais atenção aos jovens da zona, que estão “abandonados” e “sem futuro”.

Criada desde 1999, a Associação Liverpool é uma das referências da zona de Espia, tanto pela intervenção no campo desportivo, com participações em diversos torneios inter-zonas, mas também no lado social através de apoios dados à juventude e crianças da localidade, e até na ilha vizinha de Santo Antão.

Neste momento, estando com algumas dificuldades devido à pandemia e com falta de apoios de empresas e entidades estatais, o vice-presidente da instituição, José Gomes, assegurou à Inforpress que se sentem “um pouco com as mãos atadas” para continuar a encaminhar a juventude com quem trabalhavam.

Neste sentido, José Gomes pede mais atenção, por exemplo da Câmara Municipal de São Vicente, para criação, “pelo menos”, de um recinto desportivo para prática de diversas modalidades e assim ocupar os tempos livres dos jovens.

“Assim não saem em vandalismos e nem pensem em coisas que não têm cabimento”, considerou a mesma fonte, admitindo que a edilidade “iniciou um pequeno polivalente na época de campanha, mas está neste momento com as obras paralisadas”.

“É a coisa mais importante que poderiam fazer, porque com um recinto deste em Espia, os jovens podem escolher uma área. Aqui na zona ainda há espaço para isso, mas só que estão adiando e daqui a pouco já não haverá lugar”, sustentou José Gomes, lembrando que Espia já foi em tempos uma zona “muito fustigada” pelos conflitos de gangues, mas que “está agora mais calma”.

O vice-presidente da Liverpool disse ainda que já solicitaram “várias vezes” o apoio da câmara municipal para aquisição de um terreno para construírem a sede da associação, que têm outros apoios prometidos, faltando só a cedência do terreno, que já está identificado, mas “até agora tem sido infrutífero”.

Por outro lado, ajuntou, “seria bom” se pudessem ter alguma ajuda monetária do Governo e assim conseguir avançar com os seus projectos.

“As associações credenciadas, o Governo deveria apostar nelas e empregar algum dinheiro razoável, de forma que pudéssemos pôr os jovens a desenvolverem e criar”, reiterou o responsável, admitindo que poderiam usar essa verba “muito bem”, tendo em conta o com o conhecimento que têm da zona.

Contudo, concretizou, “as autoridades estão sacudindo a água do capote na responsabilidade tida com os jovens, deixando-os abandonados e sem futuro”.  

LN/CP

Inforpress/Fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos