São Vicente: Directora-geral Adjunta das Parcerias Internacionais da UE “impressionada” com possibilidades de cooperação na economia azul

Mindelo, 08 Jun (Inforpress)- A directora-geral Adjunta das Parcerias Internacionais da União Europeia mostrou-se hoje, no Mindelo, impressionada com as potencialidades na área da economia azul em São Vicente, prognosticando uma parceria muito grande entre Cabo Verde e a União Europeia.

Myriam Ferran fez estas declarações à imprensa após encontrar-se com o presidente do Conselho de Administração da Enapor e com o presidente do Instituto do Mar (Imar) e ainda visitou o porto do Mindelo e o Centro Oceanográfico do Mindelo (OSCM).

Segundo Myriam Ferrano, as visitas que fez a deixou encantada porque viu “o desenvolvimento integrado de diferentes sectores da economia azul” e que aponta novas perspectivas de cooperação.

Para a directora-geral Adjunta das Parcerias Internacionais da União Europeia o caso do Centro Oceanográfico do Mindelo, que desenvolve pesquisas em parceria com um instituto alemão, é um dos exemplos de “parceria exemplar” e que interessa a União Europeia.

Explicou que uma das prioridades da União Europeia é o desenvolvimento sustentável e a questão da luta contra as mudanças climáticas. Por isso, aventou a possibilidade de uma colaboração com o OSCM integrando o programa de pesquisa da Comissão Europeia Erasmus+, que possibilita a mobilidade de estudantes, “relativamente conhecida e que será continuada e desenvolvida”.

“Uma cooperação com este centro, em particular, seria verdadeiramente interessante”, afirmou Myriam Ferran, que se mostrou “impressionada com a disponibilidade que o Centro Oceanográfico tem para acolher os estudantes e a integração entre o ensino e a pesquisa, indicando que se trata de “um exemplo a seguir”.

Além disso, garantiu que outra área que interessa à União Europeia é o desenvolvimento da economia integrada e da economia portuária que, sublinhou, são “elementos essenciais da conectividade”. Neste particular, lembrou que a União Europeia a sua estratégia geral sobre a conectividade e Porto Grande situa-se como “um corredor estratégico da União Europeia para a ligação com o continente Africano”.

“Para nós é uma das perspectivas muito interessantes. Também dignas de nota são as actividades dos portos, que dizem respeito à função de transporte, ou do turismo, a de estar mais ligada à produção e a integração com o tecido industrial”, explicou, realçando que as visitas que efectuou em São Vicente foram uma “grande demonstração para a União Europeia de como trabalhar com Cabo Verde em todas as áreas.

CD/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos