Corpo do Escutismo Católico já tem o seu projecto educativo pronto para socialização (C/áudio)

Mindelo, 16 Out (Inforpress) – O Corpo do Escutismo Católico de Cabo Verde vai desencadear nos próximos dias/meses uma acção de sensibilização e socialização do seu primeiro projecto educativo do escutismo em Cabo Verde, seguida da experiência-piloto no terreno.

Trata-se, segundo a chefe nacional do Corpo do Escutismo Católico de Cabo Verde (CECCV), Zezinha Alfama, de um “grande projecto” da instituição escutista, já que até agora todo trabalho de educar da CECCV tem sido feito baseado na adequação do projecto do Corpo Nacional de Escutismo Católico de Portugal.

“Entendemos que já temos caminhada suficiente para criar o nosso próprio projecto educativo, que é uma adequação da intenção educativa à realidade cabo-verdiana”, concretizou Zezinha Alfama, em conformidade com o “carácter do homem e da mulher cabo-verdiana, a sua história, o seu modo de ser e de estar na vida e a forma como vive o evangelho”.

A seguir a esse processo de socialização do projecto, a CECCV deverá iniciar uma experiência-piloto em que os agrupamentos irão candidatar-se, terão o acompanhamento necessário com avaliação e, assim, sublinhou, construir este projecto educativo.

Prevista ainda para o corrente ano pastoral, segundo a mesma fonte, está a realização do quinto campo-escola, a actividade máxima de capacitação dos dirigentes em que se vai trabalhar sobretudo a parte técnica/metodológica.

É que, conforme explicou Zezinha Alfama, o escutismo tem uma metodologia própria de trabalho, respeita “muito o ritmo” de cada membro, mas tem um sistema de progresso.

Desenvolve-se com base no saber-fazer e actualmente, segundo a chefe nacional do CECCV, está-se a dar “muita importância” ao sistema de patrulha, que é trabalhar em grupos pequenos de seis a oito elementos, vertente “reforçada” pela covid-19.

“Daí pensarmos que a pandemia não vai atrapalhar tanto, porque o próprio método escutista facilita”, ajuntou, mas mesmo assim, precisou Alfama, “por precaução”, o ano escutista só vai ter início em Novembro.

“Estamos ‘de olho’ neste reabrir das escolas para tirar lições de como fazer as coisas, certos de que cada escuteiro é visto como um agente promotor da saúde”, lançou, e que os dirigentes são os protectores da infância.

“É fundamental que tenhamos sempre em linha de conta que se tivermos que reabrir em Novembro todas as condições terão que ser levadas em devida conta, desde o álcool gel, distanciamento físico e outras”, prometeu.

O Corpo do Escutismo Católico de Cabo Verde celebra o seu 20º aniversário no dia 30 de Novembro, mas devido à pandemia da covid-19 muitas “actividades sonhadas” foram adiadas.

Mesmo assim, conforme Zezinha Alfama, o CECCV está a preparar algumas actividades para celebrar a data, entre elas um concerto de música escutista online, para além da certificação dos agrupamentos e dos dirigentes, e a investidura de novos chefes.

O acto central das celebrações será presidido pelo cardeal Dom Arlindo Furtado, na cidade da Praia.

Actualmente, de acordo com o último senso de Novembro do ano passado, o Corpo do Escutismo Católico de Cabo Verde agrupa cerca de 3.500 escuteiros distribuídos por 62 agrupamentos e 294 dirigentes.

AA/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos