São Vicente: Cadeia Central pioneira ao abrir primeira turma do 7º ano para reclusos

Mindelo, 31 Out (Inforpress) – Vinte cinco reclusos da Cadeira Central de São Vicente iniciam esta sexta-feira as aulas do 7º ano de educação básica, numa acção pioneira num estabelecimento prisional em Cabo Verde, conforme a delegada do Ministério da Educação.

“Estamos a fazer história”, lançou Maria Helena Andrade, na tarde de hoje, num dos pátios da Cadeia Central de São Vicente, referindo-se ao “pioneirismo da iniciativa”, quando procedia ao acto de abertura oficial do ano lectivo na cadeia, na presença dos reclusos.

De um universo de 48 alunos/reclusos da 1ª fase ao 7º ano de escolaridade, a turma do 7º, composta por 25 alunos, terá neste primeiro trimestre as disciplinas de Matemática, Língua Portuguesa e Educação para a Cidadania, numa formação em módulos, com três disciplinas por trimestre, e que decorrerá diariamente das 12:00 às 15:00, numa das salas do estabelecimento prisional, preparada para o efeito.

Como referiu a delegada do Ministério da Educação, o lema do corrente ano lectivo “Mais educação, mais inclusão” enquadra-se “na perfeição” nos objectivos de levar o 7º ano para um estabelecimento prisional e, assim, dar aos reclusos “novas oportunidades de melhoria” da sua condição de vida.

Citando Nelson Mandela, que um dias disse que “A educação é a arma mais poderosa que se pode usar para mudar o mundo”, Maria Helena Andrade foi mais longe ao considerar que “em vez de pedir mais segurança”, deve-se investir primeiro na educação, ou seja, sintetizou, na prevenção, através da educação como “o melhor caminho”.

“Vocês estão a ter esta oportunidade de melhorar de vida, de conhecimento e até de auto-estima, porque através da educação vão conhecer novas realidades”, lançou a responsável, dirigindo-se aos reclusos, a quem pediu colaboração no sentido de apoiarem os professores, estudar “com afinco e dedicação” e “levar a sério” este trabalho.

Maria Helena Andrade, dirigindo-se aos professores , lembrou que se trata de um desafio, mas, ao mesmo tempo, ajuntou, uma “acção gratificante” que é poder contribuir para a melhoria de qualidade vida de alguém, através de um trabalho social “meritório”.

“Espero que tudo corra bem, pois no final do ano lectivo cá estarei para parabenizar cada um vós pelos excelentes resultados escolares”, perspectivou.

Na mesma linha, a directora da Cadeia Central de São Vicente, Vanda Gomes, deu conta da “elevada satisfação” num “momento ímpar” para o estabelecimento prisional que dirige, devido a uma “parceria feliz” com o Ministério da Educação.

“Cada um dos alunos/reclusos merece uma oportunidade de reinserção social, após a reclusão e nada mais valioso do que fazê-lo através da educação”, concretizou Vanda Silva, que pediu a cada um dos reclusos para aproveitarem esta oportunidade que a vida lhes está a dar, através da educação.

A educação básica de adultos chegou à Cadeia Central de São Vicente em 1995, mas hoje inaugurou-se um novo ciclo naquela unidade prisional com a turma do 7º ano, sendo a ideia-matriz capacitar os alunos-reclusos para uma “melhor integração” na sociedade, cumprida a fase de reclusão.

Actualmente, a Cadeia Central de São Vicente tem uma população prisional de 257 homens e uma mulher.

AA/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos