São Vicente: Bairro do Iraque vai receber intervenção da ONU – Habitat na busca de resiliência (c/áudio)

Mindelo, 12 Nov (Inforpress) – O bairro do Iraque, nas proximidades da lixeira municipal de São Vicente, em Ribeira de Julião, irá receber intervenção da ONU-Habitat em Cabo Verde através do programa de inclusão PSUP, conforme informações da representante do organismo, Janice Silva.

Esta intervenção, feita através do Programa Participativo de Melhoria dos Assentamentos Informais (PSUP III) pretende, segundo a representante da ONU-Habitat em Cabo Verde, focar nos bairros indicados pela própria câmara, onde se vai fazer o planeamento participativo com “pequenos projectos-pilotos” de empoderamento das comunidades de assentamentos informais.

Nesta primeira fase a escolha da Câmara Municipal de São Vicente recaiu no bairro do Iraque, situado nas proximidades da lixeira municipal, com alguns “constrangimentos e dificuldades”, que deverão ser resolvidos, a partir de agora.

“Este é um programa de médio longo prazo, que acompanha os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a Nova Agenda Urbana da ONU e que pretende enfrentar a pobreza através do planeamento urbano participativo das cidades”, explicou Janice da Silva, adiantando que a sua equipa pretende fazer uma visita de reconhecimento na tarde de hoje para se “inteirar dos problemas”.

Os técnicos da ONU-Habitat, segundo a mesma fonte, permanecem na ilha durante esta semana para encontros tanto com a edilidade, como com os líderes locais para ver os projectos de inclusão social a ser implementados, “com experiências em outros bairros, para se comparar e adaptar”.

“O ponto forte de todo este processo de planeamento deverá ser o de ter as populações do bairro no centro”, garantiu.

E é neste sentido que decorre de hoje até dia 16, na Biblioteca Municipal, uma formação em Resiliência Urbana e melhoria dos assentamentos, que envolve várias entidades públicas e privadas de São Vicente.

“A intenção é lançar a cooperação mais estreita com São Vicente, que temos tido ligação através do Governo central, mas que já beneficiou de diferentes iniciativas e formações, inclusive como a elaboração do perfil urbano em 2013”, salientou.

Esta “aproximação”, ajuntou, insere-se na Nova Agenda Urbana, aprovado em 2016, que é o instrumento de gestão das cidades e que recomenda que a cooperação se faça muito com o poder local e para a implementação do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável número 11, de tornar as “cidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis”.

“Essa cooperação mais estreita está sendo feita à semelhança do que temos feito com outros municípios cabo-verdianos, sobretudo nestes onde a questão urbana é mais premente”, reforçou Janice da Silva, referindo as questões de ordenamento do território, ambiental, social e inclusão.

À semelhança do que é feito em outros municípios, ONU-Habitat pretende lançar em São Vicente, segundo a mesma fonte, o projecto de Acções de Planeamento para a Resiliência da Cidade (City RAP – sigla em inglês”, cujo objectivo, é colocar, durante alguns meses, essa técnica à disposição do Mindelo, para que “de facto a cidade tenha o seu plano de acção de resiliência”.

LN/FP

Inforpress/Fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos