ALAIM vai ajudar a criar projecto de formação e promoção artística e cultural na Guiné Bissau

Mindelo, 14 Nov (Inforpress) – A directora da Academia Livre de Artes Integradas do Mindelo (ALAIM) assinou hoje, no Mindelo, um protocolo com a associação Vida, de Portugal, para criar “Ur-gente”, projecto de formação e promoção artística e cultural na Guiné Bissau.

Em conferência de imprensa, a directora da ALAIM, Janaína Alves Branco, afirmou que esta parceria para a criação do projecto de formação artística e cultural na Guiné Bissau já vem sendo arquitetada através do projecto Pró-cultura de subvenções, financiado pela União Europeia, através do Camões I.P, aprovado em 2021 e que decorre até 2024.

O primeiro passo para a implementação deste projecto, explicou a mesma fonte, acontece já no dia 27 de Novembro com a sua ida à Guiné Bissau acompanhado do encenador João Branco para ministrar formações.

“Nós vamos estar na Guiné Bissau dando formação a partir do dia 27 deste mês e vamos ficar lá durante 10 dias. O João Branco foi convidado a fazer essa formação, principalmente na parte de encenação e preparação de actores, e eu vou tentar entender e ajudar na parte de arranque do projecto e na formação infantil”, avançou.

Conforme Janaína Alves Branco, a base deste projecto é a partilha de experiências e o fortalecimento das relações entre Cabo Verde e Guiné Bissau, com a parceria de Portugal.

Por isso, acrescentou que dentro deste projecto terá uma bolsa que vai financiar a vinda de um artista bissau-guineense à formação em Cabo Verde e a ida de um cabo-verdiano para fazer formação naquele país.

“É esta questão de residências que são muito importantes, dessa troca, de ir até lá conhecer, aprender um pouco e trazer pra cá e deles virem para cá aprender um pouco e levar mais conhecimento”, concretizou.

Por sua vez, a coordenadora do Projecto Ur-gente, Carolina Rodrigues, que integra a organização Vida, que trabalha há 25 anos na Guiné Bissau, disse que a ideia é tentar fazer “um centro com qualidade, capaz de acolher artistas que vivem com bastante dificuldade, num território que nem sempre é o mais aprazível, para que eles possam desenvolver a sua criatividade, com qualidade, dignidade e com tudo aquilo que os artistas merecem”.

“O U-rgente é um projecto feito e escrito com muito amor. É escrito e pensado na Guiné Bissau e para a Guiné Bissau e por isso não poderíamos nunca o fazer sozinhos. Acho que esta experiência particular da ALAIM, que acontece no Mindelo e num território que tem bastante semelhança, pode ser de uma grande riqueza para nós”, argumentou.

Conforme a mesma fonte, o projecto tem “três vertentes muito fortes” que é a capacitação através da formação, a programação cultural regular e em simultâneo a criação de uma estrutura com equipamento e condições técnicas e humanas para ser talvez uma espécie de ALAIM na Guiné Bissau”.

Outra ideia, destacou Carolina Rodrigues, é criar um festival internacional de teatro em 2024 na Guiné Bissau, espelhando-se na experiência do festival Mindelact, que acontece em São Vicente.

Além dessas instituições de Cabo Verde e de Portugal, o projecto Ur-gente conta com a parceria Grupo de Teatro do Oprimido da Guiné Bissau.

CD/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos