São Vicente/Acordo com UE: Direcção da Frescomar assegura estar à espera de um sinal do Governo (c/áudio)

Mindelo, 14 Jan (Inforpress) – O director comercial da Frescomar, Miguel Pinto, asseverou que até agora não receberam qualquer sinal do Governo quanto a renovação do Acordo de Derrogação das Normas de Origens entre Cabo Verde e a União Europeia.

O responsável, em entrevista à Inforpress, explicou que a empresa já fez o seu trabalho de casa desde Março de 2020, mas até agora não receberam qualquer sinal do executivo, quando o esperam desde 01 de Janeiro último.

“Sugerimos e fizemos o nosso trabalho de casa documentado e apoiado como nos anos anteriores e entregue com tempo suficiente”, considerou a mesma fonte, adiantando que neste momento estão a “trabalhar sobre pressão, algo que não é salutar e nem saudável”.

Miguel Pinto adiantou estar a direcção da empresa preocupada, uma vez que as responsabilidades são “muito grandes” e há vários contratos a serem cumpridos “custe o que custar”.

Ainda a empresa, asseverou, corre o risco de parar caso não tenha o abastecimento de matéria-prima, que neste caso vem da Europa.

Por isso, segundo a mesma fonte, “Cabo Verde precisa repensar o modelo de desenvolvimento, que se quer e que foi colocado a nu pela pandemia” e que coloca em dúvida se “será o turismo a alavanca do futuro”.

O director comercial da Frescomar referiu à urgência de se ultrapassar esse impasse político-económico e de diplomacia e que já foi resolvido por países como Colômbia, Equador, Peru, Seychelles, Maurícias, que tem a questão das pescas como um desígnio.

A questão já foi abordada pela secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS), Joaquina Almeida, em conferência de imprensa na semana passada, que alertou para o facto da Frescomar estar em eminência de despedir 800 trabalhadores até ao final deste mês, caso o Acordo de Derrogação das Normas de Origens entre Cabo Verde e a União Europeia não for renovada.

A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), Janira Hopffer Almada, criticou, por seu lado, hoje, no Mindelo, a falta de planificação e de estratégia do Governo “até para simples renovação de um acordo”.

A Frescomar é uma sociedade anónima cabo-verdiano-espanhola que obteve certificado de empresa franca em Abril de 1997 para se dedicar à prática da transformação do pescado e sua comercialização, tendo a Europa como principal mercado.

Actualmente estão empregados na unidade do Lazareto 1.500 pessoas.

LN/DR

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos