São Miguel: Associação “chocada” com possibilidade de paralisação das obras da Barragem de Principal

 

Calheta, 27 Jun (Inforpress) – O presidente da Associação Agro Hortelão e Principal, Nasolino Miranda, disse hoje à Inforpress que foi “um choque” ouvir que há dúvidas sobre a continuidade das obras de construção da barragem de Principal, em São Miguel.

Durante o debate sobre o sector do agro-negócio, realizado segunda-feira, no Parlamento, o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, admitiu que estudos preliminares apontam se se deve continuar ou não com as obras de construção da barragem da Ribeira de Principal.

“Temos recomendações muito sérias sobre riscos inerentes à construção da barragem de Principal”, precisou o governante.

Contactado pela Inforpress, Nasolino Miranda disse que esta notícia já teve repercussão a nível local e internacional, e muitos filhos, amigos e agricultores da Ribeira de Principal estão preocupados com a possibilidade do Governo paralisar a obra.

“Para nós, foi uma notícia muito chocante e esperamos que não venha a acontecer, porque se isso acontecer é algo grave, visto que a população já criou uma grande expectativa à volta dessa barragem. É um projecto que, além de trazer benefícios para a agricultura, trouxe acesso, e vai criar oportunidade de desenvolver o turismo rural”, disse.

Nasolino Miranda apelou ao Governo para “analisar bem” antes de tomar qualquer decisão, porque, neste momento, já foi feito um grande investimento nesta obra, e cerca de 50 por cento dos trabalhos já foram executados, uma vez que o acesso já está praticamente concluído e a barragem já começou a ser erguida.

Segundo este responsável, este é um projecto iniciando há três anos e tem financiamento garantido, por isso, não querem que haja alguma dúvida sobre à continuação da obra.

“Se tem falha é para corrigir, porque queremos que o projecto seja implementado de forma a servir a população, futuramente, mas que não falem na possibilidade de cancelar”, disse.

A construção dessa barragem vai permitir aumentar a área irrigada, aumentar a produção e, com o acesso, o escoamento do produto será mais fácil e a população vai ter acesso durante o ano todo, acrescentou.

Ainda com essa barragem disse que a população sai a ganhar, porque vários outros projectos ligados ao turismo rural, criação de empreendimentos à volta da barragem e projectos ligado a transformação agro-alimentar vão nascer.

Nasolino Miranda aproveitou para pedir ao Governo que procure fundos para a construção de mais diques de correcção torrencial a montante da barragem para evitar assoreamento da barragem.

O lançamento da primeira pedra para a construção da barragem e da estrada de penetração na Ribeira de Principal, enquadradas no “Projecto de Ordenamento das Bacias Hidrográficas de Flamengos e Principal”, aconteceu dia 20 de Março de 2014.

O projecto foi financiado pelo BADEA (Banco Árabe para o Desenvolvimento Económico em África) através de um acordo de empréstimo no valor de 10 milhões de dólares (mais de um milhão de contos).

AM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos