São Lourenço dos Órgãos: Familiares das crianças com paralisia cerebral pedem “mão amiga” para minimizar problemas

 

João Teves, 19 Abr  (Inforpress) – Familiares de crianças com paralisia cerebral que vivem no município de São Lourenço dos Órgãos pediram hoje apoio à Acarinhar e à câmara para que os seus filhos possam ter acesso a consultas, medicamentos, alimentação e habitação condigna.

São Lourenço dos Órgãos: Familiares das crianças com paralisia cerebral pedem “mão amiga” para minimizar problemas

Este apelo surgiu durante um encontro que essas famílias mantiveram com a presidente da Associação das Famílias e Amigos de Crianças com Paralisia Cerebral (Acarinhar), Maria Teresa Mascarenhas, e com o presidente da Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos, Carlos Vasconcelos, no âmbito da comemoração dos 10 anos da Acarinhar.

Algumas mães que prestaram o seu testemunho neste encontro  afirmaram que essas crianças apesar de serem deficientes e de terem alguma dificuldade em aprender, vão à escola, pois lá sentem-se incluídos, conhecem novas pessoas, brincam com os amigos e ainda participam em todas as actividades religiosas.

Apesar de tentarem levar uma vida normal, segundo uma das mães, Ana Tavares, as coisas não tem sido fácil, porque muitos não têm condições de levar os filhos para consultas de rotina ou para um especialista na cidade da Praia ou em Santa Catarina, e também não tem condições de comprar o medicamento.

O pouco que essas mães têm, de acordo com elas é gasto no tratamento dos filhos, e neste sentido ficam sem condições de reparar o tecto das suas casas que estão a cair ou de dar uma alimentação melhor para os seus filhos.

No sentido de ajudar as famílias de São Lourenço dos Órgãos, a Acarinhar assinou hoje um protocolo de parceria e de amizade com a Câmara Municipal, a delegacia de Saúde e a delegação escolar de São Lourenço dos Órgãos.

Segundo a presidente da Acarinhar, Maria Teresa Mascarenhas, a ideia é levar resposta mais próxima das crianças e das famílias com paralisia cerebral, daí o envolvimento com parceiros locais, para que possam dar uma resposta mais adequada às necessidades dessas crianças.

No âmbito deste protocolo, afirmou vão traçar um plano de “intervenção concreta” para todas as pessoas com deficiências neste concelho, levando em conta os problemas levantados pelas famílias, e ainda junto da delegacia de saúde vão fazer um diagnóstico da real situação dessas crianças e dos adultos com deficiência.

Por sua vez, o vereador da Área Social na câmara, José Carlos, considerou que este protocolo com várias instituições simboliza o espírito de cooperação, mas também de satisfação, porque juntos vão desenvolver politicas públicas para promover a integração das pessoas com paralisia cerebral.

A edilidade, de acordo com o vereador, tem procurado resolver os problemas das famílias com crianças deficiência, e uma das politicas levado a cabo é na facilitação no acesso a habitação, no âmbito de programa Casa para Todos.

“De entre os 50 apartamentos, 34 vão ser ter como beneficiadas as famílias dessas crianças. Temos dado apoio com transporte, e na compra de medicamentos, mas ainda no quadro de saúde vamos desenvolver um programa de mutualidade de saúde e beneficiar essas famílias”, disse.

No âmbito deste protocolo, os técnicos da câmara, da delegacia de saúde e da delegação escolar vão ser capacitados  para que possam promover a  reabilitação, inclusão e valorização social de pessoas do concelho com paralisia cerebral, situações neurológicas.

AM

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos