São Filipe: Câmara homenageia Padre Camilo e Governo condecora Padres Capuchinhos

 

São Filipe, 29 Abr (Inforpress) – A Câmara Municipal de São Filipe homenageia este sábado o Padre Camilo Torassa, em sinal de reconhecimento da sua contribuição dada ao longo de décadas para o desenvolvimento do município e da ilha.

Padre Camilo, como é conhecido a nível da ilha, nasceu na Itália, a 17 de Outubro de 1929 e entrou para o Capuchinhos aos 18 anos (1947) e a 21 de Fevereiro de 1954 ordenou sacerdote e em Dezembro do mesmo ano apresentou-se aos superiores o pedido para vir trabalhar em Cabo Verde.

Passou mais três anos em Itália como professor no seminário e dois anos em Portugal e a 30 de Janeiro de 1960 desembarcou em S.Vicente, para depois rumar à ilha do Fogo, tendo passado dois anos em São Lourenço, antes de assumir a Paroquia de Nossa Senhora da Conceição, onde permaneceu durante 31 anos (Setembro de 1961 a Julho de 1992), foi pároco de Santa Catarina.

Durante a sua missão, além do trabalho espiritual, Padre Camilo realizou um conjunto de acções que contribuíram para formação de várias gerações e das quais se destacam a construção da Escola ou Casa Materna (66/67), onde funcionou o primeiro jardim infantil, escola primária e onde nasceu a primeira escola secundaria da ilha, o centro catequético João Paulo II, as capelas de Cabeça Monte, Monte Largo, Chã das Caldeiras (consumidas pelas lavas da última erupção), duplicou a capacidade da casa paroquial.

Depois do Fogo foi para S:Vicente como pároco (1992) e depois na ilha Brava a partir de 2002, estando neste momento nas instalações do lar de idoso Madre Teresa de Calcutá.

Além da homenagem da Câmara Municipal de São Filipe e paralelamente a este acto o Governo de Cabo Verde, igualmente em sinal de reconhecimento pela contribuição dada, condecora os Padres Capuchinhos que este ano completaram 70 anos em Cabo Verde, 1947 a 2017.

Por sua vez, a Fundação da Casa das Bandeiras, que este ano celebra o centenário do desenterro da Bandeira de São Filipe, vai homenagear os resgatadores e os continuadores da Bandeira de São Filipe e algumas figuras ligadas a esta festa de cariz profano-religiosa e que anualmente movimenta milhares de pessoas e a economia da ilha.

O acto de homenagem acontece domingo às 09:00 e da lista dos homenageados constam o grupo Sete-Estrelo (através dos seus familiares), os irmãos Aníbal Henriques e António Henriques; João Sousa Macedo; José Emílio Leite (natural de Santo Antão e funcionário na altura na ilha do Fogo); Manuel Ribeiro de Almeida (natural de S.Vicente ou Santo Antão e funcionário na altura na ilha) e os irmãos Alberto Gomes Barbosa e Pedro Gomes Barbosa.

Um total de 15 tamboreiros, a título póstumo, como Tchitchite, que actuou na festa de desenterro da Bandeira em 1917, passando por Pedro de Amélia, 25 coladeras também a título póstumo, assim como outros tamboreiros e coladeras no activo como Idalina (coladera) devido a sua idade e Valdomiro Dias (tamboreiro) pela sua dedicação à festa.

Chico Barbosa, Vivico, Jota-Jota, Jorge Pires, Pazim (cozinheiro),Padre Sanches e Padre Camilo são de entre outras figuras a serem homenageadas na celebração do centenário do desenterro da Bandeira.

JR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos