Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santo Antão: Todos municípios já têm seus planos de contingência da época das chuvas

Porto Novo, 10 Jul (Inforpress) – Os três municípios de Santo Antão já dispõem dos seus planos de contingência para a época das chuvas, instrumentos que prevêem uma série de operações, antes, durante e depois da emergência, envolvendo os agentes da protecção civil.

Porto Novo foi o primeiro município a aprovar o seu plano de contingência da época das chuvas, que, geralmente, ocorre no período entre Julho e Outubro, instrumento que, segundo a edilidade, visa “garantir a segurança das pessoas, bens e haveres dos cidadãos”.

O plano, socializado em Junho, apresenta uma série de medidas, que já estão a ser implementadas, sendo de destacar, nesta altura, a limpeza dos cursos de água das chuvas e acções de informação e sensibilização, além da identificação das zonas de risco.

O município do Paul aprovou, esta semana, o seu plano, que contém “linhas estratégicas de preparação e prevenção tendo em conta a aproximação da época das chuvas”, informou a autarquia.

Também, nesta semana, a Câmara Municipal da Ribeira Grande socializou, com os seus parceiros, o seu plano operacional de emergência de protecção civil para a época das chuvas, que define “um conjunto de normas e procedimentos preventivos, que deverão ser utilizados pelos diversos serviços da câmara municipal e todos os agentes da protecção civil, antes, durante e após emergência”.

Além disso, o plano traz “orientações, relativamente ao modo de comando e à actuação dos vários organismos, entidades e serviços, relativamente ao seu envolvimento e participação em operações de protecção civil”, informou a edilidade ribeira-grandense.

Santo Antão foi fustigado, em 2016, por uma cheia que destruiu grande parte das infra-estruturas na ilha (estradas e outras),além de terrenos agrícolas, cujos prejuízos foram avaliados em cerca de 700 mil contos.

JM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos