Santo Antão: Protecção civil define como “prioridade” protecção das populações no Tarrafal e Monte Trigo

Porto Novo, 13 Jun (Inforpress) – A protecção das casas no Tarrafal e em Monte Trigo, no interior do Porto Novo, Santo Antão, que, constantemente, têm sido afectadas pela acção do mar revolto, foi definido como “prioridade” para os serviços de protecção civil na ilha.

O edil do Porto Novo, Aníbal Fonseca, admite que a protecção da encosta de ambas zonas é, de facto, “uma grande prioridade” por forma “dar segurança às pessoas” que vivem mais próxima do mar, que, além de inundar casas, tem destruído ainda infra-estruturas sociais.

Moradores das duas localidades têm estado a pedir, com insistência, ao Governo e à câmara do Porto Novo “urgência” na construção dos muros de protecção dessas zonas piscatórias, que estão expostas à acção do mar bravo.

No caso do Tarrafal, o autarca garante que a sua autarquia e o Governo estão “a trabalhar” no projecto de requalificação da orla marítima, que poderá começar a ser implementado ainda no decurso deste ano, o qual, além de valorizar essa zona, dará segurança às populações.

O Ministério da Administração Interna (MAI), através do Serviço Nacional de Protecção Civil (SNPC), já manifestou a sua “disponibilidade” em discutir com as autoridades locais um plano de intervenção nas duas zonas, que estão sujeitas à acção do mar, ao longo do ano.

Entretanto, Porto Novo recebe, a 28 de Junho, um encontro dos serviços de protecção civil das ilhas de Santo Antão, São Vicente e São Nicolau, para a socialização de planos e medidas de prevenção e de preparação face à presente época das chuvas.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos