Santo Antão: Projecto sobre mapeamento de trilhas pode desvalorizar papel dos guias de turismo, temem alguns destes profissionais

Porto Novo, 20 Jan (Inforpress) – O projecto de mapeamento dos caminhos vicinais em Santo Antão pode contribuir para a desvalorização do papel dos guias de turismo, no entender de alguns destes profissionais, que pedem ao Governo medidas de protecção da classe.

Alguns guias de turismo, abordados pela Inforpress, temem que o facto de os caminhos serem mapeados e sinalizados pode dispensar o papel do guia, uma vez que os turistas terão à disposição toda a informação das rotas, sem qualquer orientação dos guias de turismo.

Os guias, que preferiram não se identificar, dizem, por isso, contra o mapeamento e sinalização das trilhas em Santo Antão e já comunicaram a sua posição à associação de classe.

Uma fonte da direcção da Associação dos Guias do Turismo de Santo Antão, que defende a implementação do projecto, promete, porém, discutir com o Governo formas de proteger os guias, embora entenda que estes profissionais devem “adaptar-se aos novos tempos”.

Mais de 80 percursos distribuídos pelos três municípios de Santo Antão deverão ser mapeados e sinalizados até Maio, altura em que esses caminhos passarão a ser divulgados através de um conjunto de comunidades virtuais especializadas sobre trekking e trail running.

Os itinerários já identificados vão ser sinalizados e mapeados no âmbito do projecto sobre sinalização dos caminhos vicinais da ilha de Santo Antão, que incidirá na identificação do património histórico, etnográfico e natural, das comunidades existentes e na oferta de serviços.

O projecto, que tem o financiamento do Banco Mundial, está a ser implementado por um consórcio, do qual fazem parte a Associação para a Defesa do Património de Mértola, Portugal, e as empresas PATH – Portugal Active Tourism in Holidays e Letras Encantadas Estudos e Projetos.

JM/JMV
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos