Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santo Antão: Poser está a ser uma realidade mas está numa fase lenta de execução – FIDA

 

Porto Novo, 21 Nov (Inforpress) – O programa de promoção de actividades socio-económicas rurais (Poser), em curso em Cabo Verde desde 2013, “é uma realidade” no pais, pelo projectos já executados, mas está “numa fase lenta de execução”.

A avaliação é da missão de supervisão do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), entidade financiadora do programa, feita, esta terça-feira, no final de um visita de dois dias a Santo Antão, uma das ilhas abrangidas pelo Poser.

Conforme Jean Pascal Kabaré, chefe da missão de supervisão do FIDA, verifica-se, neste momento, um atraso significativo tanto em termos de execução física do projecto como de realização financeira, quando se está a apenas 16 meses do fim do programa.

“O Poser termina em 2019 e está atrasado quer na execução física, quer na execução financeira”, sublinhou Jean Pascal Kabaré, admitindo que esse atraso pode estar relacionado com dificuldades na implementação dos projectos e na mudança institucional que se verificou a nível do programa, agora gerido pelo Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA).

O chefe da missão do FIDA lançou o desafio ao MAA, à unidade técnica do programa (UCP) e às Comissões Regionais de Parceiros (CRP) para “juntarem esforços” no sentido de dar um novo impulso ao programa em matéria de execução dos projectos, cuja taxa de execução estima-se, actualmente, em cerca de 50%.

O coordenador nacional do Poser, João Fonseca, concorda que a taxa de execução do programa está muito aquém do desejado e considera que o “grande desafio” proposto pela missão para o tempo que resta do programa (16 meses) será de “recuperação dos atrasados”.

“Após quatro anos de execução do programa, ainda só desembolsamos 50% do montante global”, notou João Fonseca, assegurando que, uma vez que “ainda há muito dinheiro para investir”, há que “andar muito rapidamente para fazermos coisas boas e com qualidade” até 2019, ano do termina do Poser.

A nível de Santo Antão, as delegações do MAA dizem estar “satisfeitas” com a avaliação positiva que se faz do Poser, segundo Joel Barros, delegado deste ministério no Porto Novo, que assegurou à missão “uma atenção redobrada” a nível dos parceiros nesta ilha para que o programa possa cumprir os seus objectivos de melhorar as condições vidas das populações através de actividades produtivas.

Durante a visita, a missão visitou vários projectos em execução no quadro do Poser, programa que sucede a PLPR (programa de Luta contra a pobreza no Meio Rural), implementado entre 2004 e 2012, período em que foram investidos, em Santo Antão, cerca de 323 mil contos nos domínios da habitação social, água e saneamento, que beneficiaram, directamente, 15 mil pessoas em toda a ilha.

O Poser propõe, para Santo Antão, durante a sua execução, (2013-2019), libertar da pobreza mais de um milhar e meio de famílias nos três municípios da ilha, com a implementação de um pacote de projectos geradores de empregos e rendimentos nas árias de agricultura, pecuária e pesca.

JM/JMV

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos