Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santo Antão: Poser enaltece “forte dinâmica” em Alto Mira e Ribeira da Cruz no domínio da horticultura

Porto Novo, 06 Dez (Inforpress) – Os vales agrícolas de Alto Mira e Ribeira da Cruz, no concelho do Porto Novo, Santo Antão, “muito reconhecidos” no domínio da horticultura, apresentam já “uma forte dinâmica” a nível de agricultura biológica e comercialização de produtos.

A conclusão é da unidade técnica do programa de promoção de actividades socio-económicas rurais (Poser) em Santo Antão, que promoveu, nos últimos dias, um intercâmbio entre os agricultores de Alto Mira e Ribeira da Cruz e os colegas de Penedo e Selada de Ribeirinha de Jorge, no Paul, envolvidos nos projectos agrícolas nessas localidades.

O intercâmbio, que contou com 20 agricultores, permitiu-lhes conhecerem, de perto, os projectos que estão a ser desenvolvidos nesses vales do Porto Novo, “já reconhecidos no domínio da horticultura” e com “uma forte dinâmica” em práticas como a agricultura biológica e comercialização de produtos.

O encontro visou “essencialmente a troca de experiências, ideias e conhecimentos entre os agricultores, tendo em conta temáticas como o cultivo, a fertilização orgânica, a conservação, a protecção vegetal e o pós-colheita”, informou a unidade técnica do Poser, em Santo Antão.

Saliente-se que, numa iniciativa da associação dos agricultores locais, foi instalado em Ribeira da Cruz, um dos principais produtores de cenoura em Santo Antão, um entreposto agrícola para o tratamento, embalagem e comercialização de produtos agrícolas.

Além da Ribeira da Cruz, essa unidade serve ainda os agricultores de Chã de Norte, Martiene, Jorge Luís e de Chã de Branquinho, num total de 300 produtores.

Com este entrecosto, os produtos agrícolas dessas zonas têm sido “devidamente tratados” e colocados no mercado com embalagem própria, permitindo “uma boa aceitação” no mercado, segundo os agricultores, que enaltecem o facto dessa infra-estrutura permitir “agregar valores” aos excedentes.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos