Santo Antão: Plano de reacção e mitigação face à emergência por covid-19 contempla ilha com oito projectos

Porto Novo, 20 Nov (Inforpress) – O Plano de reacção e mitigação face à emergência por covid-19 contemplou Santo Antão com mais de três mil contos para a implementação de oito iniciativas de ajuda imediata e de reconstrução no período pós-emergencial nos três municípios.

O Plano de reacção e mitigação face à emergência por covid 19, executado e financiado pela União Europeia, Associação dos Amigos da Natureza (AAN) e o Centro de Estudos Rurais e Agricultura Internacional (CERAI), teve início no mês de Abril de 2020 e termina em Dezembro próximo, com a execução de três projectos no Porto Novo, três na Ribeira Grande e os restantes dois no município do Paul.

Elisa Carlotta Quadri, responsável pela comunicação do CERAI, explicou à Inforpress que na primeira fase do plano, que decorreu entre Abril e Maio, Porto Novo beneficiou de dois projectos  financiados à Associação de Desenvolvimento Comunitário dos Pescadores e Peixeiras de Porto Novo para o reforço e apoio para medidas de mitigação da covid-19 no sector da pesca artesanal, no valor que ultrapassou os 330 contos.

Também, a Associação de Desenvolvimento Comunitário Luz Verde do Norte foi contemplada com 350 contos para a implementação da iniciativa virada para a mitigação “dos graves efeitos” provocados pela covid 19 nas comunidades dos criadores de gado do Planalto Norte.

No município de Ribeira Grande, foi abrangida a Associação para o Desenvolvimento Integrado de Matinho de Leste e Monte Joana com o reforço do abastecimento de água para melhorar as condições socio-sanitárias destas localidades, no valor de 240 contos.

Ainda neste concelho, avançou a responsável, a Associação Luz Viva de Lagoa do Planalto Leste beneficiou do projecto para a mitigação com ajudas de materiais ao impacto da covid-19 na região de Lagoa e Espadaná, orçado em mais de 329 contos.

A Associação Liga dos Amigos do Paul recebeu um financiamento de quase 350 contos para “a prevenção e salvaguarda de ganhos sociais e económicos diante da covid-19”, explicou a mesma fonte.

Nesta segunda fase do plano (iniciativas comunitárias de reconstrução no cenário pós-emergência), para o período Julho/Dezembro, Porto Novo foi contemplado com 565 contos para a implementação do projecto “Fortalecimento da Rede de Agricultores Familiares da Freguesia de Santo André”, a cargo da Associação de Agricultores da Ribeira da Cruz.

Na Ribeira Grande, a Associação Comunitária para o Desenvolvimento Integrado de Mocho de Garça recebeu um financiamento de 565 contos para a implementação da acção “Restauração de actividades hortícolas no seio das mulheres agricultoras locais, enquanto no Paul, a Associação Dragoeiro beneficiou da acção “Plataforma solidária para dinamização da produção local”, também, no valor de 565 contos.

Através deste plano, que abrangeu igualmente as ilhas de São Vicente e São Nicolau, foi possível apoiar, nas três ilhas, 17 iniciativas de ajuda imediata e de reconstrução no período pós-emergencial, levadas a cabo por associações comunitárias, que atingem um valor total de 6.600 contos.

Estes fundos, segundo Elisa Carlotta Quadri, foram activados no âmbito do projecto “Aliança para o Direito Humano à Alimentação Adequada e Iniciativas de Empoderamento de Jovens e Mulheres Rurais” financiado pela União Europeia à AAN e ao CERAI.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos