Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santo Antão: Moradores de Mão para Trás voltam a reclamar de esgoto a céu aberto e cheiro nauseabundo

Ribeira Grande, 12 Out (Inforpress) — Os moradores da localidade de Mão para Trás voltam a reclamar do esgoto a céu aberto e do cheiro nauseabundo, porque, segundo eles, há três meses a CMRG “remendou” o problema, e mesmo assim, ainda vivem esse “drama”.

À Inforpress Julia Santos, moradora da comunidade, afiançou que o problema do esgoto vem de há “muito” tempo. E, no seu entender, Mão para Trás é uma localidade pequena, pelo que a situação já deveria estar resolvida.

“Há uns meses procuramos a comunicação social para denunciar um problema de saúde pública que era o esgoto a céu aberto aqui em Mão para Trás. Posto isso o Serviço Autónomo de Água e Saneamento (SAAS) da Câmara Municipal da Ribeira Grande cavou uma fossa perto do mar, mas não taparam o mesmo”, explicou Júlia Santos.

Sendo assim a mesma fonte enfatizou que quando a maré está alta enche a fossa e esse transborda para dentro da localidade, o que, a seu ver, pode colocar em risco a saúde dos moradores, pois, além do cheiro nauseabundo, atrai insectos e causa várias doenças.

“Ficamos até condicionados de tomar um banho no mar porque a água do esgoto vaza para o mar e também para dentro da comunidade. Já nem deixamos as nossas crianças brincarem na rua por causa desta situação”, frisou Júlia Santos.

Segundo a moradora, a comunidade de Mão para Trás sofre com esta situação, por isso apela ao Serviço Autónomo de Água e Saneamento (SAAS) da Câmara Municipal da Ribeira Grande para resolverem a situação “o quanto antes”.

A Inforpress tentou por várias vezes ouvir o director do Serviço Autónomo de Água e Saneamento (SAAS) da Câmara Municipal da Ribeira Grande, Daniel de Jesus, mas tal não foi possível apesar da insistência.

Entretanto, no mês de Julho deste ano em entrevista à Inforpress, este responsável disse que uma empresa iria disponibilizar uma máquina para fazer o trabalho que, considerou, “muito difícil”.

Daniel de Jesus alegou na altura que em Santo Antão não tem um [camião] limpa fossa, e que se tratava de um trabalho difícil, entretanto iriam fazer a averiguação para ver se a fossa já não recebia mais produtos.

O director do SAAS assegurou que antes o esgoto estava na comunidade, mas fizeram um primeiro procedimento para retirar o mesmo para fora da comunidade.

LFS/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos