Santo Antão: Lixeira inter-municipal preocupa santantonenses que insistem na sua deslocalização

 

Porto Novo, 15 Out (Inforpress) – Os santantonenses estão cada vez mais preocupados com a situação da lixeira intermunicipal, localizada nas imediações da Ribeira Brava, zona fronteiriça entre Porto Novo e Paul, que já é considerado um problema de saúde pública, em Santo Antão.

O lixo ali depositado, no enfiamento da estrada, está invadir essa via para a preocupação da população de Santo Antão, que clama pela deslocalização “urgente” desse espaço, o qual, além dos problemas de saúde pública e ambiental em que se transformou, está ainda a dar “uma má imagem” de Santo Antão.

Alguns operadores turísticos, com quem a Inforpress falou, dizem-se preocupados com a situação da lixeira, que está a “pôr em causa  os ganhos” já conseguidos na promoção de Santo Antão como destino turístico.

Além do facto de o lixo estar a invadir a estrada, há também a poluição provocado pelo fumo resultante da queima das imundices, que afecta, sobremaneira, quem transita na estrada Porto Novo/Janela.

As autoridades municipais admitem que Santo Antão enfrenta, nesta altura, “uma situação de emergência”  em termos de gestão dos resíduos sólidos, que “precisam de uma solução a curto e médio”.

A Associação dos Municípios de Santo Antão, consciente dessa situação, já decidiu pela deslocalização, para uma zona mais adequada, dessa lixeira, precisando para o efeito de 30 mil contos.

O Governo diz-se também preocupado com essa situação e acredita que a solução para “os graves problemas” que Santo Antão enfrenta, nesta matéria, que se colocam com maior acuidade nos municípios do Paul e Ribeira Grande, passa pela construção de um aterro sanitário.

Os municípios de Santo Antão estão empenhados na procura, conjuntamente com o  Governo, do financiamento para a instalação do aterro sanitário desta lha, que depara-se, actualmente, com uma situação “extremamente difícil” em matéria de recolha e gestão do lixo, segundo o edil do Porto Novo, Aníbal Fonseca.

Explicou que o aterro sanitário é um projecto do Governo, mas as autarquias em Santo Antão estão empenhadas na mobilização de parcerias com vista à implementação dessa infra-estrutura, que poderá custar cerca de 200 mil contos.

JM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos