Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santo Antão: Hospital regional Dr. João Morais encerra semana do aleitamento materno com workshop (c/áudio)

Ribeira Grande, 15 Ago (Inforpress) – As leis que protegem as mães e os pais bem como o código dos substitutos do leite materno foram temas em reflexão durante um workshop realizado esta quarta-feira no hospital regional João Morais, na Ribeira Grande.

Inicialmente prevista para 07 de Agosto, este workshop foi o culminar do programa que o Comité Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) do hospital João Morais preparou para assinalar a semana mundial do aleitamento materno.

A presidente desse comité, a nutricionista Gisela Alves, disse à Inforpress que a escolha desses temas tem a ver com o facto de serem leis que “os empregadores desconhecem ou ignoram, condicionando o sucesso do aleitamento materno”.

Segundo Gisela Alves, “o aleitamento materno é uma responsabilidade de todos” e aquela técnica de Saúde garante que “na Ribeira Grande tem sido feito um excelente trabalho na promoção, protecção e apoio ao aleitamento materno”, como forma de atingir o objectivo de aumentar as taxas actuais e atingir os almejados 50 por cento (%).

A palestrante Dionara Anjos, jurista, começou por apontar contradições existentes na lei que prevê o aleitamento materno exclusivo durante seis meses enquanto a licença de maternidade é de apenas dois meses.

A contradição está, essencialmente, no facto de a mãe ter regressar ao trabalho depois de dois meses e dispor de apenas 45 minutos de manhã e outros 45 minutos à tarde para apanhar um autocarro, percorrer uma grande distância para amamentar o filho depois regressar ao trabalho, tempo que no entender de Dionara Anjos “é insuficiente”.

Para Dionara Anjos falar da amamentação exclusiva até aos seis meses de idade é falar das políticas públicas, ou seja, a produção de legislação que a dê suporte.

Por outro lado, a jurista chama atenção, também, para a parte comunitária e familiar onde vários mitos, ainda existentes, continuam a potenciar mensagens que colidem com a promoção do aleitamento materno exclusivo.

HF/FP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos