Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santo Antão/Ensino Superior: UTA almeja colocar a ilha no mapa internacional das ciências e tecnologias agrárias

Porto Novo, 06 Fev (Inforpress) – A Universidade Técnica do Atlântico (UTA) está a trabalhar para colocar Santo Antão e Cabo Verde no “mapa internacional das ciências e tecnologias agrárias”, com a operacionalização, este ano, do instituto, que vai apostar na investigação nestes domínios.

Quem o garante é a reitora da UTA, Raffaella Gozzelino, que informou que a criação do Instituto Superior das Ciências e Tecnologias Agrárias em Santo Antão tem o propósito de colocar esta ilha e o País, no geral, no “mapa internacional das ciências e tecnologias agrárias”.   

A reitora explica que as ofertas formativas deste instituto, que é uma das unidades orgânicas da UTA, vão incidir, entre outras áreas, na agricultura e ambiente, apostando, por exemplo, na investigação sobre a praga dos mil pés (illacme plenipes), praga que destrói, há várias décadas, os produtos agrícolas em Santo Antão.

A UTA prepara, nesta altura, as ofertas formativas do Instituto Superior das Ciências e Tecnologias Agrárias de Santo Antão, que começam a ser disponibilizadas ainda em 2021, avança Raffaella Gozzelino, que, esta sexta-feira, terminou uma visita de uma semana a Santo Antão.

Entretanto, outras universidades em Cabo Verde estão interessadas na investigação da praga dos mil pés, que pode avançar no quadro do projecto agro-industrial de Santo Antão, a cargo da empresa Aquasun Energia e Água, que pretende montar em Santo Antão um laboratório para o efeito.

O Governo já promete, no quadro da cooperação chinesa, retomar as investigar sobre os mil pés, que obrigou as autoridades cabo-verdianas a decretarem, há quase 40 anos, através da portaria 58/84, o embargo aos produtos agrícolas de Santo Antão, com o objectivo de evitar a propagação da praga. 

Até agora, não se encontrou a forma de combater esta praga daninha, que terá chegado a esta ilha nos 70, proveniente da Europa.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos