Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santo Antão: Aquasun Energia e Água sem acordo com Governo para adquirir centro de expurgo aposta num centro de raiz

Porto Novo, 29 Nov (Inforpress) – Aquasun Energia e Água não conseguiu chegar a acordo com o Governo quanto à compra do centro pós-colheita do Porto Novo, Santo Antão, espaço que pretendia transformar num centro agro-industrial, conforme informou a empresa.

A empresa Aquasun Energia e Água pretendia, no quadro do projecto agro-industrial na ilha de Santo Antão, estimado em 22 milhões de euros (2,4 milhões de contos), adquirir o centro pós-colheita para a sua transformação num centro agro-industrial para a transformação e certificação de produtos agrícolas e pecuários.

Sem avançar pormenores, a Aquasun Energia e Água informou que, por não ter chegado a acordo com o Governo, a empresa já decidiu avançar com a construção de um centro de transformação agro-industrial de raiz, que, além de tratamento e conservação, ocupar-se-á ainda de transformação e certificação de produtos, de acordo com as normas internacionais.

O projecto agro-industrial para Santo Antão, que começa a ser implementado “nos princípios de 2020”, consiste na montagem e operacionalização de um parque solar de 7,5 mega watts e de uma dessalinizadora da água do mar, com capacidade para 3.500 metros cúbicos de água por dia, destinada “exclusivamente para a agricultura, hidroponia, pecuária e transformação agro-industrial”.

O centro pós-colheita do Porto Novo, com capacidade para processar quase quatro mil toneladas de produtos agrícolas por ano, tem sido sub-aproveitado pelos agricultores, por causa da sua má localização.

O centro, construído em 2010 (operacionalizado em 2013) foi localizado nos arredores da cidade do Porto Novo, numa zona afastada do porto, facto que, segundo os produtores agrícolas, cria “muitos constrangimentos”, sobretudo a nível do custo do serviço prestado, que fica “elevado”.

O Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) reconhecendo que o centro tem “muitas vulnerabilidades”, desde logo a “má localização”, já prometeu deslocalizar essa infra-estrutura para as instalações do porto do Porto Novo, com vista a servir melhor os produtores agrícolas de Santo Antão.

O primeiro-ministro assegurou, recentemente, que o Governo continua à procura de “uma solução alternativa”, em termos de localização do centro pós-colheita do Porto Novo.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos