Santo Antão: Agricultores esperam para 2021 as investigações sobre mil-pés nesta ilha

Porto Novo, 10 Jan (Inforpress) – Os agricultores em Santo Antão esperam, para este ano, a realização das investigações sobre a praga dos mil-pés que está, há mais de quatro décadas, a destruir as culturas nesta ilha.

O Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) já prometeu desencadear, no quadro da cooperação com a China, as investigações com vista a eliminar ou, pelo menos, reduzir “os efeitos nefastos” desta praga daninha, que terá chegado a Santo Antão nos anos 70, proveniente da Europa.

“Estamos a aguardar pelas investigações, que têm sido prometidas pelo Governo. Por causa dos mil-pés, os produtos agrícolas de Santo Antão têm sido sujeitos, desde 1984, a um embargo. Isso prejudica muito a agricultura nesta ilha”, avançou o agricultor Miguel Lima.

Segundo os agricultores, esta medida de quarentena levou ao “declínio” da actividade agrícola em Santo Antão, razão pela qual pedem a realização dos estudos com vista a encontrar formas de combate à praga, que se tem alastrado por toda a ilha.

Além do Governo, há outros interessados nas investigações sobre os mil-pés, facto que animam os lavradores.

É o caso da empresa Aquasun Energia e Água, que pretende, no quadro do projecto agro-industrial de Santo Antão, apostar nas pesquisas sobre os mil-pés, com a instalação de um laboratório nesta ilha.

Esta empresa, que se prepara para investir, agora em 2021, mais de dois milhões de contos no sector agrícola em Santo Antão, diz contar com a parceria com algumas universidades nacionais na realização das investigações.

Os produtores agrícolas e os autarcas da ilha têm feito “forte pressão” ao Governo para o levantamento do embargo mas, para já, segundo o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, o levantamento desta medida “não está nos planos do Governo”.

JM/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos