Santiago Norte: Rede Regional realiza marcha de sensibilização sobre Abuso e Exploração Sexual de crianças

Calheta, 23 Nov (Inforpress) – A Rede Regional Santiago Norte de Prevenção e Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças realizou hoje uma marcha sob o lema “Basta de Violência contra Criança”, para sensibilizar e alertar a sociedade para o problema.

Este evento está enquadrado dentro da campanha de Combate Prevenção ao Abuso e Exploração Sexual de Criança, que tem funcionado desde a data da sua criação, Setembro de 2017, em fazer apelo à protecção de defesa de direitos das crianças.

A marcha, segundo a coordenadora da Rede Regional Santiago Norte, Maria Rosa Veiga, tem como objectivo mobilizar e consciencializar a sociedade, munindo-lhe de informações necessárias para protecção e defesa de direitos das crianças e tendo como foco o abuso, exploração e violações com maiores incidências.

Segundo Maria Rosa, existe pesquisa que há incidência de abuso e violência sexual em Cabo Verde, nomeadamente nas ilhas mais turísticas e, também, em Santiago Norte, com dados “assustadores” de abuso e exploração.

Segundo a responsável, estão a actuar na prevenção para não acontecer casos do tipo, e combater esta problemática, que é um problema de Cabo Verde e os dados estão cada dia a subir.

Apontou a responsável que já no próximo mês de Dezembro vão iniciar com a formação , durante a qual vão capacitar responsáveis da comunidade como mães, avós, tias, de forma a descobrir sinais de abuso sexual.

Por sua vez, o vereador da Educação, Família e Inclusão Social, Francisco Cabral, disse que abraçaram esta marcha com a intenção de chamar a atenção da população para ter consciência deste acto que está a prejudicar muito a sociedade cabo-verdiana.

Acredita que esta marcha passou a mensagem à população e esta também aderiu ao evento porque “sentiram o pulsar” e por isso espera que são Miguel fique livre de exploração de crianças e adolescente e em toda a região norte.

Acrescentou que esta marcha vai trazer “mais-valia” e a população só tem muito a ganhar, justificando que a violência e abuso sexual nas crianças muitas vezes acontecem nas famílias próximas, vizinhos, amigos e pais.

A marcha, que se iniciou em Calhetona e terminou na Praça, frente à Câmara Municipal, teve forte engajamento de todos os munícipes e a Delegação de Educação, através das Escolas Secundárias, com os respectivos alunos, na luta contra o abuso e a exploração sexual de crianças.

CL/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos