Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santiago Norte: INSP apresenta Observatório Nacional da Saúde e plataforma SIG-Saúde (c/áudio)

Assomada, 15 Fev (Inforpress) – O Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP) apresentou hoje aos profissionais do sector e aos parceiros da Região Sanitária Santiago Norte o Observatório Nacional de Saúde (ONS) e o Sistema de Informação Geográfica em Saúde (SIG-Saúde).

O ONS, lançado em Março de 2018, e apresentado hoje na região Santiago Norte, à semelhança da Região Fogo e Brava, Boa Vista, Praia e Tarrafal, cuja difusão já foi feita, visa divulgar a plataforma SIG-Saúde junto dos profissionais de Saúde, membros da Comissão Municipal de Saúde, técnicos dos Ministérios da Educação e do Ambiente e Agricultura e diversos parceiros.

O SIG- Saúde é uma plataforma tecnológica interactiva, desenvolvida e alojada na página da internet do INSP (https://www.insp.gov.cv/index.php/observatorio-saude/sistemas-de-informacao-geografica-em-saude), com o apoio do Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSi), que visa a georreferenciação dos dados do Sistema de Informação Sanitária sobre os eventos de saúde pública.

O ONS está alicerçado em três pilares, com destaque para a plataforma tecnológica SIG-Saúde, que contém a informação estatística, mas também os seis módulos: vectores mosquito, mortalidade, morbilidade, cobertura de serviços e acesso, financiamento e rede de infra-estruturas do sector.

“Observatório Nacional da Saúde é uma atribuição do INSP que serve para recolher dados secundários e em outros casos primários para analisá-los e para poder fornecer subsídios para a tomada de decisão”, explicou o administrador executivo do INSP, Júlio Rodrigues.

Este responsável, que falava à imprensa à margem da apresentação do ONS e SIG-Saúde, disse que, tendo em conta que se trata de um instrumento importante na consolidação e de apoio do Sistema Nacional de Saúde, sobretudo da consolidação do Sistema de Informação, é importante também que os seus parceiros conheçam como o mesmo funciona e como, juntos, podem tirar o melhor proveito do mesmo.

Conforme explicou o administrador executivo do INSP, esta divulgação não restringe apenas aos técnicos de Saúde, isto porque, segundo ele, o objectivo é aproximarem-se de indivíduos, famílias e das comunidades para que possam entender onde é que as coisas estão a correr “bem ou menos bem” para que possam ser corrigidas.

A este propósito, lembrou que o ONS tem estes objectivos, ou seja, de analisar os dados e determinantes sobre ocorrências e eventos da saúde para que possam entender o que se está a passar para que possam actuar no território onde as coisas estão a acontecer e subsidiar a tomada de decisões.

Após quase um ano do lançamento do ONS, Júlio Rodrigues, que manifestou a intenção do INSP em divulga-lo em todo o arquipélago, congratulou-se com facto de “uma boa parte” dos actores dos sistema já o conhece e ainda já perceberem que o mesmo “é um instrumento importante”.

Segundo ele, se os estudantes universitários, por exemplo, querem fazer um trabalho sobre qualquer dos módulos do SIG-Saúde, podem se apropriar dos dados produzidos pelo INSP, e ainda actores dos sistemas, para perceberem onde precisa fazer intervenções para a tomada de decisões.

“Impactos são vários, mas ainda estamos no processo de construção, consolidação, e, portanto, acreditamos que esse é o caminho a seguir”, avaliou Júlio Rodrigues.

Na ocasião, o responsável da Saúde indicou que o observatório prevê no futuro, além de analisar os dados do dentro do sistema de saúde, também trabalhar os dados que vêm de outros serviços, ou seja, dados que os vai permitir entender os determinantes ligados à questão da Saúde e dados produzidos por outras instituições e outros ministérios.


FM/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos